Entrevista com Denise Maria Cavalcante Gomes

Denise Maria Cavalcante Gomes

Por Denise Maria Cavalcante Gomes

Por Nelson Sanjad

“São poucos os arqueólogos que se dedicam a pensar sobre a importância dos métodos”, disse Denise Gomes à nossa redação. Ela é arqueóloga, professora do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desde 1997, pesquisa a cultura Santarém, tendo sido responsável pelas primeiras escavações sistemáticas no sítio Aldeia, no centro da cidade de Santarém, Pará.

Denise bacharelou-se em História pela Universidade de São Paulo (1984), onde fez mestrado (1999) e doutorado (2005) em Arqueologia. Fez pós-doutorado em Etnologia Indígena pelo Museu Nacional-URFJ (2006-2008). Coordena projeto de pesquisa básica na região de Santarém, PA, que estabelece conexões entre Arqueologia e Etnologia. Tem experiência na área de Arqueologia, com ênfase em Arqueologia Amazônica atuando principalmente nos seguintes temas: Análise Cerâmica, Socio-cosmologias Amazônicas, Arqueologia de Santarém, Arqueologia do Baixo Amazonas, Arqueologia de Comunidades/Arqueologia Pública, Arte Pré-Colonial, Análise Intra-sítio, Complexidade Cultural e Arqueologia Urbana. Ela é autora dos livros “Cerâmica arqueológica da Amazônia” (2002) e “Cotidiano e poder na Amazônia pré-colonial” (2008), ambos editados pela Edusp.

Em 2011, aceitou o convite para ser Editora Associada de Arqueologia do Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, assumindo o desafio de promover uma discussão qualificada das questões pertinentes à sua especialidade. Uma dessas questões, das mais importantes para o amadurecimento da pesquisa em arqueologia no Brasil, é a reflexão metodológica. Com esse objetivo, propôs e organizou o Dossiê “Metodologia da pesquisa arqueológica”, publicado na última edição do Boletim. Ele reúne onze artigos, escritos por 24 autores de quatro países, abordando diversos aspectos, como a pesquisa em sambaquis, bioarqueologia, arte rupestre, análise de artefatos cerâmicos históricos, levantamento intrasítio e levantamento regional na Amazônia. Trata-se de uma importante contribuição ao desenvolvimento do tema, que revela a complexidade e a diversidade da pesquisa brasileira, bem como o vasto campo de investigações aberto aos especialistas. Em conversa com a equipe do Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Denise Gomes teceu comentários sobre a organização do Dossiê e o estado da arte da metodologia em arqueologia no país.
1) Qual foi a motivação para a organização de um Dossiê sobre metodologia da pesquisa arqueológica?

Venho pensando nessas questões desde que passei a trabalhar na Amazônia, uma vez que a pesquisa de campo em áreas florestadas demanda a adoção de métodos específicos, além de um esforço redobrado. Mas, a ideia do dossiê surgiu propriamente há dois anos, quando visitei o Museu Goeldi e a colega Vera Guapindaia me mostrou os resultados de suas pesquisas no sítio Cipoal do Araticum, no rio Trombetas. Fiquei impressionada com os mapas de concentração de material cerâmico, gerados a partir do programa Surfer, e com as conclusões obtidas por ela sobre este importante sítio de terra firme. Na mesma ocasião, Edithe Pereira me falou sobre o registro digital das pinturas rupestres de Monte Alegre, feito a partir da aplicação de técnicas criadas pela Universidade de Valência, na Espanha. Nessa época, eu também havia coordenado uma escavação no sítio do Porto, em Santarém, com uso de métodos geofísicos, cujos resultados permitiram ampliar o conhecimento sobre a cultura Santarém. Percebi que poderia juntar estas experiências a outras, para discutir a importância do método na pesquisa arqueológica.
2) Como você avalia a reflexão teórica e metodológica na área de Arqueologia no Brasil?

Embora a reflexão teórica venha ganhando espaço na Arqueologia brasileira, a questão metodológica ainda é pouco discutida. Ela parece ser evitada. Os métodos são, geralmente, tratados de forma dissociada da teoria. São poucos os arqueólogos que se dedicam a pensar sobre a importância dos métodos, situando-os no contexto mais amplo de produção do conhecimento arqueológico. O desafio é não só relatar os procedimentos adotados de modo a permitir sua replicação por outros pesquisadores, mas mostrar a relevância dos resultados, além de ter claro que os métodos são decorrentes de escolhas teóricas. Do contrário, tem-se a impressão de que os métodos são únicos, particularidades de determinadas pesquisas, o que não faz sentido.
3) De que maneira o Dossiê contribui para essa reflexão?

Eu acredito que o Dossiê reúne uma amostra de trabalhos atuais, mas também documenta a criatividade dos arqueólogos e a capacidade de adaptação de determinados métodos a outros contextos. Boa parte dos artigos se dedica à discussão de métodos voltados ao desenvolvimento de trabalhos de campo, como o de Gaspar, Klokler e Bianchini sobre os sambaquis. Outros são relativos à aplicação de técnicas de análise de artefatos. Por fim, uma parcela se dedica à reflexão metodológica em algumas especialidades da arqueologia. Acho que é um bom começo.

 

Para ler o artigo que apresenta o Dossiê, acesse

GOMES, Denise Maria Cavalcante. Metodologia da Pesquisa Arqueológica: Introdução UMA. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc.. hum. [online]. De 2013, vol.8, n.3 [citado 2014-01-31], pp 513-516. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300002&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300002.

OLIVEIRA, Maria Dulce Barcellos Gaspar de; Klökler, Daniela e BIANCHINI, Gina Faraco. Arqueologia Estratégica: Abordagens de para o Estudo da totalidade e Construção de Sitios monticulares. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc.. hum. [online]. De 2013, vol.8, n.3 [citado 2014-01-31], pp 517-533. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300003&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300003.

OCHOA, Guillermo Acosta; MARTINEZ, Patricia Pérez and GONZALEZ, Iran Irais Rivera. Metodología para el estudio del procesamiento de plantas en sociedades cazadoras-recolectoras: un estudio de caso. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited  2014-01-31], pp. 535-550 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300004&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300004.

SOUZA, Sheila Mendonça de e RODRIGUES-CARVALHO, Claudia ‘Ossos no Chão’: para UMA Abordagem dos remanescentes Humanos campo deles. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc.. hum. [online]. De 2013, vol.8, n.3 [citado 2014-01-31], pp 551-566. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300005&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300005.

LESSA, Andrea. Novos aportes teórico-metodológicos para o diagnóstico de osteoartrose em séries esqueléticas e sua importância para a arqueologia brasileira: I – Registro dos processos tafonômicos e dos marcadores ósseos. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited 2014-01-31], pp. 567-583. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300006&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300006.

PEREIRA, Edithe; RUBIO, Trinidad Martinez i e BARBOSA, Carlos Augusto Palheta. Documentação digitais da arte rupestre: Apresentação e Avaliação fazer metodo los Dois Sitios de Monte Alegre, Amazônia, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc.. hum. [online]. De 2013, vol.8, n.3 [citado 2014-01-31], pp 585-603. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300007&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300007.

KIPNIS, Renato et al. Aplicação das tecnologias de modelagem 3D conjugada às técnicas tradicionais para o registro das gravuras rupestres do rio Madeira, Rondônia, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited 2014-01-31], pp. 605-619. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300008&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300008.

CALZA, Cristiane Ferreira et al. Análise de peroleiras e cachimbos cerâmicos provenientes de escavações arqueológicas. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited 2014-01-31], pp. 621-638. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300009&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300009.

GOMES, Denise Maria Cavalcante and LUIZ, José Gouvêa. Contextos domésticos no sítio arqueológico do Porto, Santarém, Brasil, identificados com o auxílio da geofísica por meio do método GPR. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited 2014-01-31], pp. 639-656. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300010&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300010.

GUAPINDAIA, Vera Lucia Calandrini and FONSECA JUNIOR, João Aires de Ataíde da. Metodologia de delimitação no sítio arqueológico Cipoal do Araticum na região do rio Trombetas, Pará, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited 2014-01-31], pp. 657-673. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300011&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300011.

FONSECA JUNIOR, João Aires Ataíde da. Levantamento regional na arqueologia amazônica: o uso de sistema de informação geográfica e sensoriamento remoto. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. [online]. 2013, vol.8, n.3 [cited 2014-01-31], pp. 675-690. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000300012&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1981-8122. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222013000300012.

 

Link relacionado

Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas<http://www.scielo.br/bgoeldi/>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

Entrevista com Denise Maria Cavalcante Gomes [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2014 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2014/01/31/entrevista-com-denise-maria-cavalcante-gomes/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation