Reforma política, eleições e mobilização social são temas da última edição da OPINIÃO PÚBLICA

Por Rachel Meneguello, editora, Fabíola Brigante Del Porto, editora assistente e Juliana Bôa, revisora da revista Opinião Pública, Campinas, SP, Brasil.

op_logoOPINIÃO PÚBLICA é uma revista publicada pelo Cesop (Centro de Estudos de Opinião Pública), da Universidade Estadual de Campinas, voltada às temáticas da teoria, metodologia e análise de opinião pública, comportamento social e político e estudos de mídia. Seu primeiro número foi lançado em 1993 e atualmente é publicada no formato eletrônico, com periodicidade quadrimestral. O primeiro número de 2015 de Opinião Pública (volume 21, número 1, abril) traz nove artigos inéditos que tratam de reforma política, eleições, segurança pública e confiança nas Forças Armadas, autonomia da sociedade civil frente ao Estado e mobilização social.

Em “Reforma política no Brasil: indagações sobre o impacto no sistema partidário e na representação”, Patrick Silva, Andreza Davidian, Andréa Freitas e José D. Cazzolato tratam da dificuldade de governança em decorrência das atuais regras eleitorais no Brasil, devida, por um lado, à representação proporcional, que traria dificuldades ao fortalecimento dos partidos ao incentivar a criação de inúmeras pequenas legendas e o individualismo dos políticos e, por outro, à magnitude dos distritos eleitorais, e a decorrente distância entre políticos e eleitores. Pautados por esse debate, os autores simulam os resultados eleitorais nos estados de São Paulo e Pernambuco com a criação de distritos eleitorais menores, e investigam quem seriam os competidores que mais se beneficiariam com essas mudanças e se haveria o fortalecimento dos partidos ou o aumento do poder das mesmas elites que dominam atualmente o jogo político.

“Financiamento de campanha e apoio parlamentar à Agenda Legislativa da Indústria na Câmara dos Deputados”, de Manoel L. Santos, Mariana B. Silva, Dalson B. Figueiredo Filho e Enivaldo C. Rocha, aborda a hipótese de relação positiva entre financiamento de campanha eleitoral e apoio parlamentar, através da análise das votações nominais dos deputados federais brasileiros em matérias relacionadas aos projetos de interesse da Confederação Nacional da Indústria no período entre 1999 e 2007. Esta pesquisa é muito bem-vinda, pois a literatura brasileira tem estudado apenas o efeito do financiamento de campanha sobre o desempenho eleitoral parlamentar, e faltam trabalhos que considerem o efeito do financiamento sobre o comportamento do parlamentar.

Fernando Limongi e Fernando Guarnieri, em “Competição partidária e voto nas eleições presidenciais no Brasil”, analisam os fatores que levaram a mudanças nas bases eleitorais do Partido dos Trabalhadores, evidenciadas principalmente nas eleições de 2006. As análises que relacionam o novo padrão de voto em Lula e a conquista da presidência não conseguiram explicar suficientemente essa nova dinâmica. A novidade do artigo está em mostrar que essa alteração no eleitorado petista não se deve apenas às ações políticas do PT, mas em grande parte às mudanças nas estratégias eleitorais de seu maior competidor, o PSDB, após 2002.

“Vale a pena ser um bom prefeito? Comportamento eleitoral e reeleição no Brasil”, de Pedro Cavalcante, testa as abordagens psicossociológica e da escolha racional de explicação do voto para analisar a probabilidade de reeleição de prefeitos em 2008 como efeito do desempenho fiscal das prefeituras. O autor dialoga com estudos que afirmam que a boa gestão não acarreta a reeleição e investiga se o eleitor brasileiro premia ou não o bom prefeito, reelegendo-o.

Em “A política de segurança pública no Brasil: uma análise dos gastos estaduais (1999-2010)”, Iris G. Santos, José Geraldo L. Gontijo e Ernesto F. L. Amaral debatem com a literatura que aponta que as políticas de segurança são prioridades de governos cujos vieses ideológicos enfatizam a função de controle social para avaliar a hipótese de que o gasto com a política de segurança pública seria maior em estados governados por partidos de direita.

O artigo “Confiança nas Forças Armadas brasileiras: uma análise empírica a partir dos dados da pesquisa SIPS – Defesa Nacional”, de Rubem K. Ceratti, Rodrigo F. Moraes e Edison B. Silva Filho, busca suprir a lacuna de pesquisas no campo da defesa nacional brasileira no que diz respeito à sua percepção pela população analisando os determinantes da confiança da população brasileira nas Forças Armadas com base em survey nacional realizado pelo Ipea em 2011. Em geral, verificou-se um elevado grau de confiança nas Forças Armadas, com pequenas diferenças por faixa etária, sexo, região, além de variáveis atitudinais, como a percepção de que as Forças Armadas respeitam a democracia e dispensam igual tratamento aos cidadãos.

Em “Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate”, Adrian Gurza Lavalle e José Szwako revisam criticamente as ideias da emergência tardia da sociedade civil no Brasil, de seu nascimento a partir de uma não relação com o Estado e com os partidos políticos nos anos 1970 e 1980, do advento da interdependência com o Estado no período pós-Constituinte e da autonomia como ausência de relação da sociedade civil ou dos movimentos sociais com o Estado. Para os autores, apesar de o debate sobre essas ideias estar avançando de modo frutífero rumo à especialização, ainda não há diagnósticos de conjunto satisfatórios sobre as transformações nos padrões de interação entre Estado e sociedade civil e as explicações nesse sentido devem centrar-se nas interações socioestatais e na compreensão relacional de autonomia tanto no que se refere à teoria como à prática dos atores.

Ednaldo Ribeiro e Julian Borba, em “Protesto político na América Latina: tendências recentes e determinantes individuais”, baseiam-se em dados do Latinobarómetro para o período de 1995 a 2007 a fim de analisar a evolução e os determinantes socioeconômicos e atitudinais do envolvimento dos latino-americanos em comportamentos de protesto político. Apesar da plausibilidade da hipótese que associa tais modalidades de participação à expressão da insatisfação dos cidadãos, os resultados indicam que os principais determinantes do protesto são os atributos político-cognitivos dos indivíduos.

“Os sentidos de mobilização e de desmobilização da ação coletiva”, de Alcides Monteiro e Mário Montez, aborda a relação entre ação coletiva e ameaça a partir do estudo de caso da mobilização de um grupo de pessoas para defender a Mata Nacional do Choupal, espaço de lazer e natureza situado na cidade de Coimbra (Portugal), contra a construção de um viaduto rodoviário. Através desse estudo de caso, os autores debatem a relação entre racionalidade e emotividade que permeia os processos de mobilização e desmobilização da ação coletiva.

Para ler os artigos, acesse

SILVA, P. et al. Reforma política no Brasil: indagações sobre o impacto no sistema partidário e na representação. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  1-32. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-01912111. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100001&lng=pt&nrm=iso.

SANTOS, M. et al. Financiamento de campanha e apoio parlamentar à Agenda Legislativa da Indústria na Câmara dos Deputados. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  33-59. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-019121133. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100033&lng=pt&nrm=iso.

LIMONGI, F. and GUARNIERI, F. Competição partidária e voto nas eleições presidenciais no Brasil. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  60-86. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-019121160. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100060&lng=pt&nrm=iso.

CAVALCANTE, P. Vale a pena ser um bom prefeito? Comportamento eleitoral e reeleição no Brasil. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  87-104. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-019121187. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100087&lng=pt&nrm=iso.

SANTOS, I.G., GONTIJO, J.G.L. and AMARAL, E.F.L. A política de segurança pública no Brasil: uma análise dos gastos estaduais (1999-2010). Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  105-131. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-0191211105. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100105&lng=pt&nrm=iso.

CERATTI, R.K.; MORAES, R.F. and FILHO, E.B.S. Confiança nas Forças Armadas brasileiras: uma análise empírica a partir dos dados da pesquisa SIPS – Defesa Nacional. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  132-156. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-0191211132. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100132&lng=pt&nrm=iso.

LAVALLE, A.G. and SZWAKO, J. Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  157-187. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-0191211157. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100157&lng=pt&nrm=iso.

RIBEIRO, E. and BORBA, J. Protesto político na América Latina: tendências recentes e determinantes individuais. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  188-216. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: 10.1590/1807-0191211188. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100188&lng=pt&nrm=iso.

MONTEIRO, A.A. and MONTEZ, M.M. Sentidos de mobilização e de desmobilização da ação coletiva. Opin. Publica [online]. 2015, vol. 21, n° 1, pp.  217-237. [viewed May 22th 2015]. ISSN 0104-6276.  DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-0191211217. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762015000100217&lng=pt&nrm=iso

Link externo

Opinião Públicahttp://www.scielo.br/op/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

Reforma política, eleições e mobilização social são temas da última edição da OPINIÃO PÚBLICA [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2015 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2015/05/27/reforma-politica-eleicoes-e-mobilizacao-social-sao-temas-da-ultima-edicao-da-opiniao-publica/

 

One Thought on “Reforma política, eleições e mobilização social são temas da última edição da OPINIÃO PÚBLICA

  1. Estava procurando saber sobre isso, ótimo blog obrigado. Já adicionei aos favoritos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation