Ética agora

Dora Porto, Editora científica, Revista Bioética, Brasília, DF, Brasil

bioet_logoLevantando mais uma vez a bandeira fundamental da ética, a Revista Bioética retoma no número 1 de 2016 importantes discussões, que englobam a formação profissional, a clínica e a pesquisa, e estão focadas nos grupos especialmente vulneráveis: crianças, adolescentes, pacientes terminais e participantes de estudos clínicos. A importância de discutir as peculiaridades éticas no campo da saúde para estes grupos decorre da especificidade de suas demandas e características, que impõem a sensibilidade da reflexão casuística para encontrar o equilíbrio ético, indispensável para responder cada caso da melhor maneira.

Trabalhos como “What can the philosophy of science contribute to the ethics of science and technology?” e “Hermenêutica como profanação dos novos sagrados: desafio e tarefa da bioética” avançam na reflexão teórica sobre a relação entre ética e tecnologia e discutem as transformações na dimensão simbólica das ideias de vida, saúde e corpo, colaborando para o aprofundamento do estado da arte no campo da Bioética.

Questões relativas à pesquisa também estão contempladas. O artigo “Remuneração dos participantes de pesquisas clínicas: considerações à luz da Constituição” discute significativa alteração na Resolução 446/12, do Conselho Nacional de Saúde, que alterou disposição anterior e permite o pagamento aos voluntários de pesquisa clínica, o que aumenta a vulnerabilidade do participante. Trabalho de pesquisa sobre a compreensão do termo de consentimento em pesquisa clínica reforça a ideia de que essa vulnerabilidade é intrínseca, ocorrendo frequentemente em diferentes estudos. Completa a reflexão deste tema o artigo “Ética em pesquisa com crianças e adolescentes – à procura de normas e diretrizes virtuosas”, que reflete pontualmente sobre os temas dos dois trabalhos citados e apresenta um guide line para orientar a participação em pesquisa de crianças e adolescentes, grupo especialmente vulnerável tanto por sua autonomia reduzida legalmente quanto por seu entendimento restrito em decorrência da pouca idade.

Retomando a frequente discussão sobre terminalidade da vida e cuidados paliativos, este número também contribui para intensificar o contato com a temática da morte, omitida dos currículos da formação em saúde e, de maneira geral, ainda considerada tabu em nossa sociedade. Reforça a importância dessa discussão para os profissionais da área o fato de sete dos 20 artigos publicados em pesquisa e atualização nesta edição discutirem direta ou indiretamente o tema, dissertando sobre a percepção da “morte digna” para estudantes e médicos, apresentando avaliação do conhecimento de intensivistas sobre morte encefálica e discorrendo sobre a morte nas UTI, além de propor a reflexão acerca do cuidado paliativo, espiritualidade e bioética.

Confirmando sua missão de promover a reflexão multidisciplinar e plural em bioética e estimular a crítica construtiva sobre as práticas e a educação em saúde, os artigos de pesquisa discorrem sobre vários aspectos da formação profissional: mapeiam o ensino de bioética nas faculdades de medicina, apresentam perspectivas de docentes médicos de um desses cursos a respeito da ética médica, descrevem os processos de julgamento ético do médico e discorrem sobre o erro médico sob a perspectiva das vítimas. Artigo que argumenta sobre a alta a pedido contraindicação médica sem iminente risco de morte propõe reflexão indispensável sobre deontologia médica, colaborando para abalizar a atuação profissional, usualmente compelida entre a obrigação de beneficência e o respeito à autonomia do paciente.

Para os editores, essas discussões centradas na ética no campo da saúde, que se configura como a área de fronteira entre a vida e a morte, refletem o ensejo por aprimorar os padrões éticos e assegurar as bases da cidadania em nosso país. Esse é o objetivo primeiro da Revista Bioética, há 24 anos colaborando para formação ética e humanística do profissional de saúde brasileiro.

Para ler os artigos, acesse

Editorial. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.7-10. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241000. Available from: http://ref.scielo.org/896b7k

CRUZ, M. R. and CORNELLI, G. What can the philosophy of science contribute to the ethics of science and technology?. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.11-21. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241101. Available from: http://ref.scielo.org/bs9cfc

JUNGES, J. R. Hermeneutics as a profanation of the new concept of sacred: the challenge and task for bioethics. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.22-28. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241102. Available from: http://ref.scielo.org/9xc4js

ALBUQUERQUE, A. and BARBOZA, H. H. Remuneration of participants in clinical research: reflections based on the Constitution. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.29-36. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241103. Available from: http://ref.scielo.org/5thkj2

KIPPER, D. J. Ethics in research with children and teens: in search of virtuous standards and guidelines. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.37-48. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241104. Available from: http://ref.scielo.org/hrykrs

GARANITO, M. P. and CURY, M. R. G. Spirituality in pediatric practice. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.49-53. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241105. Available from: http://ref.scielo.org/bzq4jk

PESSINI, L. Life and death in the ICU: ethics on the razor’s edge. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.54-63. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241106. Available from: http://ref.scielo.org/632586

VICENSI, M. C. Reflection on death and dying in the ICU from a professional perspective in intensive care. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.64-72. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241107. Available from: http://ref.scielo.org/9xjcjq

SANCHES, M. A. and SIMAO-SILVA, D. P. Family planning: what are we talking about?. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.73-82. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241108. Available from: http://ref.scielo.org/bjxp4d

NOGUEIRA, F. M. Ethical aspects of innovation in health in Portugal. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.83-90. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241109. Available from: http://ref.scielo.org/cbst2x

SOROKIN, P., ACTIS, A. M. and OUTOMURO, D. Health Care Ethics Committees: from great dilemmas to new challenges. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.91-97. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241110. Available from: http://ref.scielo.org/k83gsb

NEVES JUNIOR, W. A., ARAUJO, L. Z. S. and REGO, S. The teaching of bioethics in medical schools in Brazil. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.98-107. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241111. Available from: http://ref.scielo.org/52h4z9

MORAIS, I. M. et al. Perception of “dignified death” for students and doctors. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.108-117. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241112. Available from: http://ref.scielo.org/ckq886

FERREIRA, L. C., MOURAO, R. A. and ALMEIDA, R. J. Perspectives of professors of medicine about medical ethics. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.118-127. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241113. Available from: http://ref.scielo.org/r66d3f

ALMEIDA, T. A. and PIMENTEL, D. Ethical judgement of doctors in Sergipe, Brazil.Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.128-135. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241114. Available from: http://ref.scielo.org/yy2pqx

MENDONCA, V. S. and CUSTODIO, E. M. Nuances and challenges of medical malpractice in Brazil: victims and their perception. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.136-146. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241115. Available from: http://ref.scielo.org/25c732

CANO, M. V. and BARBOSA, H. F. Request for a medical discharge order against medical advice without imminent risk of death. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.147-155. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241116. Available from: http://ref.scielo.org/ddck6h

MAGALHAES, J. V., VERAS, K. N. and MENDES, C. M. M. Evaluation of the knowledge of intensive care doctors in Teresina concerning brain death. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.156-164. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241117. Available from: http://ref.scielo.org/zndddj

MANCHOLA, C., BRAZAO, E., PULSCHEN, A. and SANTOS, M. Palliative care, spirituality and narrative bioethics in a Specialized Health Care Unit. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.165-175. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241118. Available from: http://ref.scielo.org/5xx5vh

SILVA, G. J. and SANTOS, M. L. C. Characterization of research protocols: a study in Paraíba, Brazil. Rev. Bioét. [online]. 2016, vol.24, n.1, pp.176-183. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241119. Available from: http://ref.scielo.org/pjxqwc

ASSUMPCAO, C. et al. Comprehension of informed consent in clinical research. Rev. Bioét.[online]. 2016, vol.24, n.1, pp.184-194. [viewed 20th May 2016]. ISSN 1983-8034. DOI: 10.1590/1983-80422016241120. Available from: http://ref.scielo.org/qmgvgc

Link externo

Revista Bioética – BIOET: www.scielo.br/bioet

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

PORTO, D. Ética agora [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2016 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2016/05/31/etica-agora/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation