Mudança de status profissional de técnicos e auxiliares em saúde bucal ainda é difícil

Cristine Maria Warmling, docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

tes_logoA pesquisa verificou que os profissionais das equipes de saúde bucal de nível médio e fundamental no Sistema Único de Saúde (SUS) trabalham com mais intensidade nas competências de promoção e prevenção de saúde. Constatou ainda que a organização do ambiente de trabalho confere maior aproximação entre as práticas públicas e privadas e, finalmente, que, independente do vínculo, não houve diferenças expressivas entre o processo de trabalho dos auxiliares e dos técnicos de saúde bucal.

A discussão e a análise dos resultados apresentados pelo artigo “Competências de auxiliares e técnicos de saúde bucal e o vínculo com o sistema único de saúde”, de autoria de Cristine Maria Warmling, Evelise Klein da Rosa, Luciane Maria Pezzato e Ramona Fernanda Ceriotti Toassi, publicado no periódico Trabalho, Educação e Saúde, volume 2, número 14, de 2016, permitiram observar que o papel desempenhado pelos auxiliares e técnicos ainda está muito aquém do que se espera serem suas potencialidades. A inovação não está marcando a evolução de suas competências e atribuições profissionais.

A promulgação da recente lei n. 11.889/08, que trata de regulação profissional, não parece ter contribuído para isso. A profissão como um todo precisa perceber que o trabalho desses profissionais amplia positivamente o perfil da prática odontológica. “Mas isso depende também de investimentos futuros em pesquisas que abordem a compreensão em profundidade sobre a contribuição desses trabalhadores para o agir profissional no cuidado da saúde bucal”, afirmam os autores.

Para alcançar esses resultados, pesquisadores do campo da saúde bucal coletiva entrevistaram 255 trabalhadores técnicos e auxiliares de saúde bucal vinculados a serviços privados e públicos de saúde, por meio de questionários estruturados.

Concluiu-se que uma mudança do status profissional dos trabalhadores auxiliares e técnicos de saúde bucal para a odontologia tem sido difícil de se efetivar. Uma das razões é que não há diferenças expressivas entre o processo de trabalho realizado pelos auxiliares de saúde bucal e aquele desenvolvido pelos técnicos de saúde bucal. As competências e atribuições assinaladas pelos auxiliares também foram relatadas pelos técnicos, resultando em número pequeno de atribuições exclusivas a esses últimos.

Para ler o artigo, acesse

WARMLING, C. M., ROSA, E. K. da, PEZZATO, L. M. and TOASSI, R. F. C. Competências de auxiliares e técnicos de saúde bucal e o vínculo com o sistema único de saúde. Trab. educ. saúde [online]. 2016, vol.14, n.2, pp.575-592. [viewedth 16 June 2016]. ISSN 1678-1007. DOI: 10.1590/1981-7746-sip00116. Available from: http://ref.scielo.org/sk93vv

Link externo

Trabalho, Educação e Saúde – TES: www.scielo.br/tes

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

WARMLING, C. M. Mudança de status profissional de técnicos e auxiliares em saúde bucal ainda é difícil [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2016 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2016/06/30/mudanca-de-status-profissional-de-tecnicos-e-auxiliares-em-saude-bucal-ainda-e-dificil/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation