Somente a elite frequenta escolas particulares?

Marília Pinto de Carvalho, Professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e editora assistente de Educação e Pesquisa, São Paulo, SP, Brasil

Nós, brasileiros, associamos a ideia de escolas particulares de educação básica ao ensino de alta qualidade oferecido às elites e camadas médias, que pagam mensalidades caras. Mas dados recentes mostram a expansão do ensino privado com a presença de escolas de baixo custo, espalhadas em bairros periféricos das grandes cidades, como resultado da melhoria das condições econômicas de uma parcela das classes populares no país. (MEDEIROS; JANUÁRIO, 2014; CAMELO, 2014). Este setor do ensino particular — pouco conhecido até mesmo dos pesquisadores — é o objeto de dois artigos do v. 43, n. 4 de Educação e Pesquisa.

Pátio do ensino infantil.
Fonte: SIQUEIRA, NOGUEIRA, 2017

Em “Focalizando um segmento específico da rede privada de ensino: escolas particulares de baixo custo”, Ana Rita Siqueira e Maria Alice de Lima Gomes Nogueira, da UFMG, estudam duas escolas da cidade de Contagem, em Minas Gerais, selecionadas a partir da mensalidade cobrada. Os resultados evidenciaram a existência de algumas características comuns: a origem e gestão familiares das instituições; uma estrutura física e patrimônio restritos; recursos humanos marcados pela multifuncionalidade; cuidados especiais com a disciplina e segurança dos alunos; e grande proximidade na interação entre famílias e escola.

Sala de aula do 7º ano do EF.
Fonte: SIQUEIRA, NOGUEIRA, 2017

Graziela Serroni Perosa e Adriana Santiago Rosa Dantas, da USP, investigaram a chegada de escolas privadas em um distrito da zona leste de São Paulo. No artigo “A escolha da escola privada em famílias dos grupos populares”, elas mostram um lento processo de acumulação de capital cultural e de modificações do estilo de vida em segmentos populares, expressão de dinâmicas de diferenciação interna dessas camadas, com uma fração superior que se distinguiria tanto pela renda familiar e pelo nível de escolaridade mais alto, quanto pelas mudanças da condição feminina no interior destas famílias, com aumento da escolaridade e do emprego formal feminino.

Sala de aula.
Fonte: SIQUEIRA, NOGUEIRA, 2017

Ambos artigos dialogam com a sociologia desenvolvida por Pierre Bourdieu (1979, 1989) e as pesquisas empíricas que ele conduziu sobre a estratificação social na França. Produzidos no âmbito de um convênio Brasil/Argentina, estes textos estão reunidos a outros três, que tratam do ensino privado e suas tensas relações com o ensino público nos dois países, numa perspectiva histórica e comparativa (ALMEIDA et al., 2017; GERARDO FUENTES, 2017; GESSAGHI, 2017). No conjunto, eles ajudam a entender melhor a dinâmica do setor privado da educação, sua inserção no espaço urbano e no tecido social, assim como sua segmentação interna e seu papel na construção e manutenção das desigualdades sociais, tanto na Argentina quanto no Brasil.

Referências

ALMEIDA, A. M. F., et al. A educação privada na Argentina e no Brasil. Educ. Pesqui., v. 43, n. 4, p. 939-956, 2017. ISSN: 1517-9702 [viewed 29 november 2017]. DOI: 10.1590/s1517-97022017101177284. Available from: http://ref.scielo.org/d39xd7

BOURDIEU, P. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

BOURDIEU, P. La noblesse d’état: grandes écoles et esprit de corps. Paris: Minuit, 1989.

CAMELO, R. A educação privada em São Paulo: expansão e perspectivas. 1ª. Análise SEADE, n. 19, out. 2014.

GERARDO FUENTES, S. Elegir la universidad privada en Buenos Aires: espacialización de la elección en contextos de diversificación. Educ. Pesqui., v. 43, n. 4, p. 957-972, 2017. ISSN: 1517-9702 [viewed 29 november 2017]. DOI: 10.1590/s1517-9702201710177123. Available from: http://ref.scielo.org/zypgr9

GESSAGHI, V. La educación privada y las experiencias formativas de la clase alta en la Argentina. Educ. Pesqui., v. 43, n. 4, p. 973-986, 2017. ISSN: 1517-9702 [viewed 29 november 2017]. DOI: 10.1590/s1517-9702201704177285. Available from: http://ref.scielo.org/7c62wp

MEDEIROS, J., JANUÁRIO, A.  A nova classe trabalhadora e a expansão da escola privada nas periferias da cidade de São Paulo. IN: 38ª REUNIÃO NACIONAL DA ANPOCS, 2014 [acessado em 29 novembro 2017]. Available from: http://anpocs.com/index.php/encontros/papers/38-encontro-anual-da-anpocs/gt-1/gt03-1/8845-a-nova-classe-trabalhadora-e-a-expansao-da-escola-privada-nas-periferias-da-cidade-de-sao-paulo/file

Para ler os artigos, acesse

Educ. Pesqui. vol.43 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2017

Link externo

Educação e Pesquisa – EP: http://www.scielo.br/ep

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CARVALHO, M. P. Somente a elite frequenta escolas particulares? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2018 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/01/19/somente-a-elite-frequenta-escolas-particulares/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation