Estudo propõe fruição como novo atributo de representação da informação para obras de arte contemporânea

Thaís Catoira, (Doutoranda), Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil

tinf_logoPesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), campus João Pessoa – PB, publicaram recentemente um estudo intitulado “A importância da representação da informação diferenciada para a Arte Contemporânea: a fruição como atributo de classificação” no periódico TransInformação, volume 28, número 3 de 2016, apresentando novas expectativas para os profissionais que atuam na classificação e catalogação da informação, propondo uma nova relação entre sujeito e objeto, informação e arte, por meio da fruição. A pesquisa, que levou a este novo atributo informacional, foi realizada no processo de organização e sistematização do acervo do Núcleo de Arte Contemporânea da Paraíba (NAC/UFPB), entre os anos de 2010 a 2012.

Incentivada por um trabalho colaborativo entre os profissionais que atuam em campos diferentes, cuja promoção traria uma experiência singular para construção simbólica da representação da informação, o estudo propõe uma nova perspectiva para a classificação de obras de arte contemporânea, em seus diferentes espaços institucionais que as salvaguardam, visando minimizar os problemas de classificação diagnosticados na pesquisa.

Os autores apontam que os modelos e abordagens adotados no tratamento de classificação de obras de arte centram-se em produções artísticas tradicionais, como pinturas e esculturas, criando categorias que priorizam estruturas físicas e autorais das obras, deixando de lado outras informações essenciais, como conceito, crítica, reflexão, estética, que envolvem as produções artísticas da Arte Contemporânea.

Ao diagnosticar estes aspectos supracitados do acervo do Núcleo, a pesquisa apontou dificuldades em obter informações mais específicas sobre os livros de artistas que o compõe, o que criou uma limitação no processo de representação da informação.

A partir de uma autoanálise da própria pesquisa, os autores chamam a atenção dos profissionais da informação que atuam com objetos da cultura material, a pensarem a fruição como um novo elemento significativo no processo de interpretação, que levam aos atos de representação e classificação da informação, em instituições culturais bem como no próprio campo da Ciência da Informação.

Concluem que a fruição permite o diálogo entre obra/sujeito, causando múltiplas (re)significações e, que este elemento seria uma alternativa instigante para a inserção de novas informações que envolvem aspectos intangíveis e conceituais, típicos das obras de arte contemporânea.

A pesquisa foi realizada com o apoio financeiro da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio do Projeto “10 Dimensões: Diálogos em rede, corpo, arte e tecnologia”, contemplado no Edital CAPES/MINC PROGRAMA PRÓ-CULTURA – Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa Científica em Cultura.

Para ler o artigo, acesse

CATOIRA, T. and AZEVEDO NETTO, C. X. The importance of a differentiated representation of information for Contemporary Art: Use of fruition as a classification attribute. Transinformação [online]. 2016, vol.28, n.3, pp.263-274. [viewed 10 March 2017]. ISSN 2318-0889. DOI: 10.1590/2318-08892016000300002. Available from: http://ref.scielo.org/vckh76.

Link externo

Transinformação – TINF: www.scielo.br/tinf/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CATOIRA, T. Estudo propõe fruição como novo atributo de representação da informação para obras de arte contemporânea [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2017 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2017/03/21/estudo-propoe-fruicao-como-novo-atributo-de-representacao-da-informacao-para-obras-de-arte-contemporanea/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation