Transformações da forma urbana em cidades portuárias

Fernanda Cantarim, Pós-doutoranda em Gestão Urbana na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), membro do corpo editorial do periódico urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, PR, Brasil.

Cidades portuárias têm uma estreita relação de organização territorial com as funções econômicas, produtivas, sociais e tecnológicas associadas ao Porto. O uso e desuso dessa estrutura pode ter impactos significativos no espaço urbano. Com o intuito de compreender os efeitos dessa dinâmica Porto-cidade, os pesquisadores Rafael Ribeiro e Gislaine Beloto apresentam uma pesquisa com estudo de caso baseado em Dublin, Irlanda, publicado no periódico urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, (vol. 12), intitulado “A organização do território urbano a partir da relação porto-cidade e seu reflexo na forma urbana”. Os autores trazem uma leitura temporal dos últimos 100 anos da forma urbana de Dublin e relacionam sua transformação com efeitos da estrutura e atividade portuária. A organização territorial resultante da relação Porto-cidade apresentou, ao longo do tempo, novas centralidades, dispersões e obsolescências.

O estudo de caso apresentado por Ribeiro e Beloto usa de pesquisa documental, baseada em fontes secundárias. Os autores utilizaram de diagramas que correlacionam o crescimento de Dublin com as áreas portuárias e infraestruturas de transporte. Esse mapeamento foi baseado em cartografias históricas, registros iconográficos e imagens de satélites. A partir de então, utilizam de modelos analíticos cidade-Porto – avaliando a forma urbana em três variáveis: forma compacta, fragmentada e dispersa.

Em Dublin, os autores observaram processos de aproximação e afastamento entre Porto e cidade tradicional. Primeiro, houve uma fragmentação dos arredores do tecido urbano; depois, uma dispersão – devido ao impacto de ocupações urbano-portuárias na cidade. Ao mesmo tempo, as atividades produtivas se desconcentraram, levando ao esvaziamento de áreas centrais próximas ao Porto (imagens 1 e 2). Posteriormente, o centro tradicional de Dublin é readequado de forma a transformar a cidade industrial em cidade informacional; constituindo novas centralidades interconectadas.

Figura 1. Diagrama correlacionando a forma urbana de Dublin com a atividade portuária em 1922. Em cinza: mancha urbana; preto: atividades portuárias e industriais; azul: rio Liffey (linha horizontal) e mar da Irlanda (mancha vertical); linha preta: eixos de conexão. Imagem: RIBEIRO; BELOTO, 2020.

Figura 2- Diagrama correlacionando a forma urbana de Dublin com a atividade portuária em 2020. Em cinza: mancha urbana; preto: atividades portuárias e industriais; azul: rio Liffey (linha horizontal) e mar da Irlanda (mancha vertical); quadriculado em preto e branco: porção central obsoleta; linha preta: eixos de conexão; linha pontilhada: limites político-administrativos. Imagem: RIBEIRO; BELOTO, 2020.

O Porto é uma estrutura de entrada e saída de mercadorias e pessoas. Seu papel é fundamental na economia, nas trocas culturais e atua como propulsor de atividades produtivas e industriais em nível local. Essas características fazem com que uma cidade portuária se torne um centro importante dentro da rede de cidades em nível regional e mesmo global. Da mesma forma, um Porto com uso em decadência ou desativado pode impactar a cidade e sua forma urbana de maneira complexa. A estreita relação entre cidade e Porto se desfaz gradativamente. Áreas da cidade se adaptam — substituem os antigos usos vinculados ao Porto. A obsolescência da estrutura portuária torna necessário repensar seu uso. A reconversão para novas atividades significa repensar não apenas a adaptação do Porto, mas também os respectivos impactos na forma urbana.

Referências

HEIN, C. Port cities: dynamic landscapes and global networks. New York: Routledge, 2011. vol. 1.

MOORE-CHERRY, N. and VINCI, I. Urban regeneration and economic crisis: past development and future challenges in Dublin, Ireland. Planum – Journal of Urbanism [online]. 2012, vol. 25, no. 2, pp. 1-16. ISSN: 1723-0993 [viewed 1 December 2020].  Available from: http://hdl.handle.net/10197/4355

Para ler o artigo, acesse

RIBEIRO, R.R. and BELOTO, G.E. A organização do território urbano a partir da relação porto-cidade e seu reflexo na forma urbana. urbe, Rev. Bras. Gest. Urbana [online]. 2020, vol. 12, e20190267, ISSN: 2175-3369 [viewed 1 December 2020].  https://doi.org/10.1590/2175-3369.012.e20190267. Available from: http://ref.scielo.org/4bxhdg

Links externos

Dublin Port Archive: https://dublinportarchive.com/
Gislaine Elizete Beloto: https://www.researchgate.net/profile/Gislaine_Beloto
PPGTU / PUCPR – Programa de Pós-graduação em Gestão Urbana Facebook: https://www.facebook.com/ppgtu/
PUCPR Facebook: https://www.facebook.com/pucproficial/
PUCPR Instagram: https://www.instagram.com/pucproficial/
PUCPR Twitter: https://twitter.com/PUCPRoficial
Rafael Rossetto Ribeiro: https://www.researchgate.net/profile/Rafael_Rossetto_Ribeiro
urbe Facebook: https://www.facebook.com/urbepucpr/
urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana – URBE: www.scielo.br/urbe

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CANTARIM, F. Transformações da forma urbana em cidades portuárias [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2020 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2020/12/01/transformacoes-da-forma-urbana-em-cidades-portuarias/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation