A indução como política necessária no acompanhamento de professores iniciantes na carreira

Giseli Barreto da Cruz, professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 

O artigo “Indução docente em revisão: sentidos concorrentes e práticas prevalecentes“, publicado no vol. 52 dos Cadernos de Pesquisa, apresenta uma revisão sistemática de literatura sobre políticas e práticas de indução docente durante o período de inserção de professores na carreira.

A publicação aborda um tema de crescente interesse na literatura: o que acontece com os professores durante o período da inserção profissional quando passam de estudante a professor? Como há registros de poucas iniciativas de programas de apoio ao professor iniciante entre nós, consideramos a produção internacional, tendo como objetivos principais analisar as tendências de indução docente inscritas nessa produção e discutir as relações de correspondência, integração e independência entre mentoria e indução.

O estudo foi realizado entre meados de 2020 e de 2021, período em que nos debruçamos, após refinamento, sobre 21 artigos. Entre as conclusões, depreendemos uma compreensão comum nas pesquisas de que o início da docência é demasiado complexo, sendo cada vez mais necessário reforçar a conexão entre formação inicial, inserção na carreira e desenvolvimento profissional docente.

Realizado em parceria com três autores, orientandos que estão discutindo a temática em suas pesquisas – duas de doutorado e uma em nível de pós-doutorado realizadas no programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro –, o artigo foi produzido a partir de um recorte temporal definido entre os anos 1980 e 2020 para a seleção dos textos.

Imagem de um moinho e ao fundo o céu azul

Consideramos a década inicial como um marco para a emergência do tema no debate sobre formação docente. Sem a pretensão de uma revisão que alcançasse uma multiplicidade de dados, priorizamos duas fontes que trazem uma discussão consistente e reconhecida na área sobre a temática, a saber: as publicações do professor Carlos Marcelo García e seus colaboradores, devido à centralidade da sua obra para a inscrição do tema da indução docente no campo de pesquisas em educação, e a base de dados do periódico Teaching Education, que publica prioritariamente debates sobre a formação de professores.

Pautados na síntese integrativa que compõe o estudo e alinhados a uma concepção de formação docente que não separa a formação inicial da continuada, mas a compreende como um processo de desenvolvimento profissional contínuo, reforçamos e defendemos que a fase de inserção na carreira deve ser olhada de forma mais cuidada por parte das instituições formadoras, das escolas de atuação e pelas políticas e programas de formação de professores. Considerando que esse acompanhamento ao professor iniciante tem sido traduzido como indução docente, entendemos ser necessário inventariar as suas concepções e práticas.

Sentidos de indução como treinamento e capacitação sobrelevam uma concepção de formação docente baseada em saberes técnicos. Embora questionáveis por dicotomizarem teoria e prática, colocam-se fortemente em disputa com perspectivas que consideram mais a socialização dos professores alinhada à cultura escolar e ao seu desenvolvimento profissional cujo investimento formativo auxilia o professor em sua inserção.

O estudo realizado acena para a importância da existência e manutenção de uma política de indução, bem como da avaliação dos objetivos e concepções que balizam a política e a sistematização de programas nas escolas, com vistas a um acompanhamento qualificado dos professores em seus primeiros anos na carreira.

Referências

ANDRÉ, M.E.D.A. Políticas e programas de apoio aos professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa [online]. 2012, vol. 42, no. 145, pp. 112-129 [viewed 17 October 2022]. https://doi.org/10.1590/S0100-15742012000100008. Available from: https://www.scielo.br/j/cp/a/ZsNkyQs8gSbvqGgPGmKQrFz/abstract/?lang=pt#

CRUZ, G. B., FARIAS, I.M.S. and HOBOLD, M.S. Indução docente em revisão: sentidos concorrentes e práticas prevalecentes. Cadernos de Pesquisa [online]. 2022, vol. 52, e09072 [viewed 17 October 2022]. https://doi.org/10.1590/198053149072  Available from: https://www.scielo.br/j/cp/a/4JwtgxNHdScBJmYwR5b7GZg/#.

MARCELO, C., MARCELO-MARTINEZ, P. and JÁSPEZ, J.F. Cinco años después: Análisis retrospectivo de experiencias de inducción de profesores principiantes. Profesorado: Revista de Currículum y Formación del Profesorado [online]. 2021, vol. 25, no. 02, pp. 99-121 [viewed 17 October 2022]. https://doi.org/10.30827/profesorado.v25i2.18444. Available from: https://revistaseug.ugr.es/index.php/profesorado/article/view/18444.

MARCELO, C. and VAILLANT, D. Políticas e programas de indução na docência na América Latina. Cadernos de Pesquisa [online]. 2017, vol. 47, no. 166, pp. 1224-1249 [viewed 17 October 2022]. https://doi.org/10.1590/198053144322. Available from: https://www.scielo.br/j/cp/a/yHHMMHyY7TnCtkZFGCQrsKP/abstract/?lang=pt.

Para ler o artigo, acesse

CRUZ, G.B., COSTA, E.C.S., PAIVA, M.M.S. and ABREU, T. B. Indução docente em revisão: Sentidos concorrentes e práticas prevalecentes. Cadernos de Pesquisa [online]. 2022, vol. 52, e09072 [viewed 17 October 2022]. https://doi.org/10.1590/198053149072. Available from: https://www.scielo.br/j/cp/a/4JwtgxNHdScBJmYwR5b7GZg/?lang=pt#.

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CRUZ, G.B. A indução como política necessária no acompanhamento de professores iniciantes na carreira [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2022 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2022/10/18/a-inducao-como-politica-necessaria-no-acompanhamento-de-professores-iniciantes-na-carreira/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation