Desafios da alimentação halal dos muçulmanos na cultura culinária espanhola

Leela Riesz, antropologista – Connecticut College, New London, CT, Estados Unidos da América

Como a alimentação e o espaço do restaurante em si servem de laboratório para investigar a experiência de imigração muçulmana e a questão da identidade cultural na Espanha? No estudo “Convivência: uma solução para a tensão de halal/carne de porco na Espanha?”, publicado na RAE-Revista de Administração de Empresas (v. 58, n. 3), por meio de entrevistas, foi possível observar a experiência de imigrantes muçulmanos marroquinos e paquistaneses e os desafios de ser muçulmano na Espanha. Identificou-se uma tensão existente entre ser muçulmano e realizar práticas de alimentação halal, que requer abster-se de consumir carne de porco e bebidas alcóolicas, e interagir com a cultura culinária espanhola, ou melhor, evitá-la, uma vez que na Espanha o presunto ibérico, item proibido para muçulmanos, é predominante.

Outro aspecto interessante foi a identificação do espaço físico com as narrativas culinárias dos restaurantes. Na visita a dois restaurantes marroquinos nos quais os donos mostraram o espaço e contaram sobre a arquitetura, a decoração e a cozinha do estabelecimento, descobriu-se que ambos os donos dos restaurantes, um em Sevilha e outro em Almeria, estavam encontrando formas únicas de criar narrativas culinárias e falar de seus restaurantes como representantes de uma época diferente da Espanha, quando muçulmanos, cristãos e também judeus, viviam essencialmente em coexistência. Essas narrativas são uma forma encontrada por ambos os donos para reduzir a distância entre as culturas culinárias espanhola e muçulmana, vendo-as essencialmente como uma mesma cultura. Essas narrativas foram chamadas de narrativas de convivência. Os estudiosos da gastronomia definem convivência como o período de tolerância relativa caracterizada por uma fusão de hábitos e práticas alimentares entre muçulmanos e cristãos antes da reconquista, inquisição e expulsão dos mouriscos (muçulmanos convertidos ao cristianismo) (CONSTABLE, 2013).

Nos Estados Unidos e em alguns países europeus, existe uma área de estudos bem constituída que analisa a relação entre culinária, identidade cultural e migração, como nas pesquisas de Hasia Diner, David Beriss, Carole Counihan, Fedora Gasparetti, Jeffrey Pilcher, Krishnendu Ray, entre outros. Além disso, tem crescido na literatura a divulgação de alimentos halal, incluindo produção, marketing, abate ritual, estabelecimentos alimentares e a importância desses alimentos na vida de imigrantes muçulmanos que vivem na Europa (BERGEAUD-BLACKLER, 2007; BONNE et al., 2007; BONNE; VERBEKE, 2008; FISCHER, 2011; WRIGHT; ANNES, 2013).

Dessa forma, com base nos depoimentos dos donos de restaurantes halal na Espanha, o estudo avalia o conceito halal não apenas como um produto em um “mercado diaspórico e religioso” emergente (BERGEAUD-BLACKLER, FISCHER; LEVER, 2016, p. 13), mas trata-se de uma conexão entre hábitos alimentares e forjamento de identidade no contexto da imigração na Espanha.

A seguir Leela Riesz conta sobre sua experiência em realizar as pesquisas e o que a surpreendeu nesse processo. Confira o vídeo:

Referências

BERGEAUD-BLACKLER, F. New challenges for Islamic ritual slaughter:A European perspective. Journal of Ethnic and Migration Studies, 2017, 33, n. 6, p. 965-980, 2007. ISSN: 1469-9451 [reviewed 6 June 2018]. DOI: 10.1080/13691830701432871. Avaliable from: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13691830701432871

BERGEAUD-BLACKLER, F.; FISCHER, J.; LEVER, J. (Eds.). Halal matters: Islam, politics and markets in global perspective. London, UK: Routledge Taylor and Francis Group, 2016.

BONNE, K.; VERBEKE, W. Muslim consumer trust in halal meat status and control in Belgium. Meat Science, v. 79, n. 1, p. 113-123, 2008. ISSN: 0309-1740 [reviewed 6 June 2018]. DOI: 10.1016/j.meatsci.2007.08.007. Avaliable form: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22062604

BONNE, K. et al. Determinants of Halal meat consumption in France. British Food Journal, v. 109, n. 5, p. 367-386, 2007. ISSN: 0007-070X [reviewed 6 June 2018]. DOI: 10.1108/0070700710746786. Avaliable from: https://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/0070700710746786

CONSTABLE, O. R. Food and meaning: Christian understandings of

Muslim food and food ways in Spain, 1250-1550. Viator, v. 44, n. 3, p. 199-235, 2013. ISSN: 2031-0234 [reviewed 6 June 2018]. DOI: 10.1484/J.VIATOR.1.103484. Avaliable from: https://www.brepolsonline.net/doi/abs/10.1484/J.VIATOR.1.103484

FISCHER, J. The Halal frontier: Muslim consumers in a globalized market. Basingstoke, UK: Palgrave Macmillan, 2011.

WRIGHT, W.; ANNES, A. Halal on the Menu? Contested food politics and French identity in fast-food. Journal of Rural Studies, v. 32, p. 388-399, 2013. ISSN: 0743-0167 [reviewed 6 June 2018]. DOI: 10.1016/j.jrurstud.2013.08.001. Avaliable from: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0743016713000624

Para ler o artigo, acesse

RIESZ, L. Convivencia: a solution to the halal/ pork tension in spain?. Rev. adm. empres. [online]. 2018, vol.58, n.3, pp.222-232. ISSN 0034-7590 [viewed 25 June 2018]. DOI: 10.1590/s0034-759020180303. Available from: http://ref.scielo.org/m3qh95.

Link externo

Revista de Administração de Empresas – RAE: www.scielo.br/rae

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

RIESZ, L. Desafios da alimentação halal dos muçulmanos na cultura culinária espanhola [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2018 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/06/25/desafios-da-alimentacao-halal-dos-muculmanos-na-cultura-culinaria-espanhola/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation