Ensino superior em saúde: os desafios da docência

Vanessa Michelon Cocco, Professora do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter), Porto Alegre, RS, Brasil

Silvia Maria de Aguiar Isaia, Professora adjunta da Universidade Franciscana (UFN) e professora titular aposentada da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) atuando como voluntária no Programa de Pós-Graduação em Educação, Santa Maria, RS, Brasil

O artigo “Percalços da docência universitária nas Ciências da Saúde”, publicado no periódico Educação & Realidade (v. 44, n. 1), é derivado da pesquisa intitulada “Os movimentos da docência superior: especificidades nas diferentes áreas do conhecimento e sua influência na atuação docente”, desenvolvida pelo grupo de pesquisa Trajetórias em Formação (GTForma), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), RS, Brasil. Trata-se de uma investigação acerca dos percalços vivenciados no exercício da docência de professores das Ciências da Saúde em uma Instituição de Ensino Superior (IES) pública.

Para os autores, percalços na docência superior representam os entraves, as dificuldades do cotidiano docente, que envolvem tanto os aspectos estruturais quanto aqueles inerentes à condição humana (ROVEDA et al., 2014).

A amostra do estudo foi composta por 15 professores com regime de trabalho de 40 horas e diferentes tempos de docência superior, dividido em três etapas: um (1) professor PAI (professores em anos iniciais, 0-5 anos de docência); sete professores PAT (professores em anos intermediários, 6-15 anos de docência) e sete professores PAF (professores em anos finais, mais de 16 anos de docência). Quanto à formação máxima stricto sensu, dois professores possuíam pós-doutorado em Ciências da Saúde, dez eram doutores nas diferentes áreas das profissões da saúde e três eram mestres (dois nas áreas específicas e um (1) em Educação). Dos 15 professores, dez também realizaram especialização lato sensu nas suas áreas específicas. Neste sentido, é possível observar que as escolhas de formação na trajetória docente foram pautadas nas escolhas prévias da profissão de origem, visto que uma minoria optou por lato ou stricto sensu em outras áreas.

Quanto às dificuldades da docência em saúde, a partir da análise das entrevistas docentes emergiram duas categorias: dimensão humana e dimensão estrutural no dia-a-dia da docência. Nesse âmbito, Morosini (2006) argumenta que a docência está interligada às vivências das situações do ambiente universitário, relacionadas, tanto aos alunos quanto aos professores; cada pessoa constrói e significa o seu cotidiano a partir de suas experiências e histórias pessoais.

Figura 1 – Diagrama Representativo do Recorte Realizado a partir da Matriz-Guia Fonte: PIVETTA et al., 2019.

A categoria dimensão humana foi a mais explicitada pelos professores, que retrataram dificuldades relacionadas ao perfil do aluno, a carência de comunicação com os colegas docentes e à ausência de formação pedagógica para a docência. Nesse sentido, sabe-se que a formação na área da saúde é marcada pela pluralidade de conhecimentos, habilidades e competências que o professor precisa dispor como arsenal pedagógico durante o fazer docente, porém, ao mesmo tempo, a maioria dos professores das IES não possuem  formação  pedagógica  para  trabalhar  na  profissão  de  docentes  e, consequentemente, têm dificuldade de fazer a transposição didática dos conteúdos para a verdadeira produção do saber dos alunos, conforme destacam Morosini  (2000) e Pivetta e Isaia (2008).

Já na segunda categoria, os percalços apontados pelos professores perpassam elementos estruturais do ambiente universitário, dentre estes, a insuficiência em infraestrutura e tecnologia, e especialmente a sobrecarga de trabalho imposta pelas atividades de ensino-pesquisa-extensão e as funções de gestão, conforme é possível observar na fala do professor.

[…] o problema que eu vejo na nossa área é que a gente é várias pessoas, eu sou o coordenador, professor da farmácia, tenho uma disciplina ligada à fisioterapia, aulas do mestrado, orientações de PIBICs, orientandos no mestrado, a comissão de legislação e normas do CCS, a comissão dos professores associados […] (Prof. S1).

Quanto ao delineamento metodológico, trata-se de uma pesquisa qualitativa, de cunho narrativo, na qual participaram 15 professores, selecionados aleatoriamente, entre os diferentes cursos da área da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), RS, Brasil. A coleta de dados partiu de uma matriz categorial-guia previamente elaborada pelo grupo de pesquisa, constituída por eixos norteadores e indicadores, utilizada para a realização das entrevistas que aconteceram de modo presencial e individual com cada professor (Figura 1). Para análise e interpretação das entrevistas foi escolhida a análise de conteúdo, realizada mediante uma sequência de etapas pré-determinadas (BAUER; GASKELL, 2004).

Referências

BAUER, M. and GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2004.

MOROSINI, M. C. Docência Universitária e os Desafios da Realidade Nacional. In: MOROSINI, Maria Costa (Org.). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000. p. 11-21.

MOROSINI, M. C. Enciclopédia de pedagogia universitária: glossário. Brasília: INEP/RIES, 2006. v. 2. p. 362-363.

PIVETTA, H. M. F. and ISAIA, S. M. de A. Aprender a ser professor: o desenrolar de um ofício. Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 3, p. 250-257, 2008. e-ISSN: 1981-2582 [viewed 16 April 2019]. Available from: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/4479

ROVEDA, P. O. et al. Professores principiantes: dificuldades da docência superior. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE PROFESSORADO PRINCIPIANTE E INSERÇÃO PROFISSIONAL À DOCÊNCIA, 4., Curitiba. Anais… Curitiba, 2014. p. 1. Available from: http://congressoprinc.com.br/artigo?id_artigo=76

Para ler o artigo, acesse

PIVETTA, H. M. F. et al. Percalços da Docência Universitária nas Ciências da Saúde. Educ. Real., Porto Alegre, v. 44, n. 1, e75639, 2019. ISSN: 0100-3143 [viewed 16 April 2019]. DOI: 10.1590/2175-623675639. Available from: http://ref.scielo.org/cxr9bw

Link externo

Educação & Realidade – EDREAL: www.scielo.br/edreal/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

COCCO, V. M. and ISAIA, S. M. A. Ensino superior em saúde: os desafios da docência [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2019 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2019/06/05/ensino-superior-em-saude-os-desafios-da-docencia/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation