O presente e o futuro em rede da Revista Estudos Feministas

Ana Maria Veiga, Professora de Teoria da História na Universidade Federal da Paraíba, Editora dos periódicos Saeculum e Revista Estudos Feministas, João Pessoa, PB, Brasil

As redes feministas sempre foram, ao mesmo tempo, uma meta e a metodologia da REF. E essas formações em rede se multiplicam, partindo de um grupo de coordenação editorial com quatro pessoas, passando por outras trinta editoras — em sua maioria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) —, chegando a outros periódicos que publicam gênero e feminismos no Brasil, na América Latina e em outras partes do mundo, abrindo espaço e compartilhando conhecimento científico com autoras/es, leitoras/es e pareceristas. Se pensarmos que cada ponto-pessoa dessa rede mantém e amplia suas próprias redes e suas microrrelações, e que todo esse contato se multiplica infinita e imprevisivelmente nas redes sociais, podemos começar a ter noção da dimensão do trabalho que estamos fazendo e da ampliação do campo.

Alguns editoriais, principalmente a partir dos iniciais anos 2000, começam a enfatizar o movimento rumo à consolidação de uma rede entre as revistas feministas, sendo que a REF chegou a organizar encontros, como o I Encontro Internacional e II Encontro Nacional de Publicações Feministas em 2003, tendo como meta a ampliação da rede e a criação de um Portal de Publicações Feministas. Embora esta última meta não tenha sido atingida, as estratégias utilizadas renderam a ampliação e consolidação de redes feministas. Uma das ações adotadas foi garantir a participação de representantes das publicações nos mais importantes encontros acadêmicos ocorridos no Brasil, nas mais diversas áreas. Com apoio financeiro da Fundação Ford e da saudosa Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, o vínculo entre os periódicos foi fortalecido na prática de ações e objetivos conjuntos. Os contatos profissionais, pessoais e as parcerias também saíram consolidados.

Em avaliação da coordenação editorial, todos os esforços foram tanto positivos como efetivos. Houve uma continuidade no investimento no caráter multidisciplinar e no equilíbrio entre as áreas, o que propiciou a atuação em rede com pesquisadoras/es e outras publicações do campo. Estantes de venda conjunta estiveram presentes em diversos congressos. O Projeto para o Desenvolvimento e Implementação da Revista Estudos Feministas on-line estimulou parcerias e resultou em mais visibilidade para a REF nos âmbitos nacional e internacional. Além disso, e principalmente, a REF se expandiu por meio de dez indexadores, tendo agragado a Sientific Library Online (SciELO) e a International Bibliography of the Social Sciences/IBSS (London School of Economics). Com a entrata na SciELO, houve a necessidade de se publicar três números anuais da REF.

Em função dos esforços coletivos e do apoio do CNPq, a REF obteve uma alta classificação — Internacional A em diversas áreas — nos programas Qualis CAPES, segundo as coordenadoras editoriais de 2004 (MINELLA; PEDRO, 2004, p. 11).

Porém, essa posição e a manutenção das redes requerem um trabalho constante. Em 2012, na comemoração dos 20 anos da REF, foi realizado na UFSC o Colóquio Militância e Academia nas Publicações Feministas: 20 anos da Revista Estudos Feministas. De acordo com as editoras naquele momento, foi mais uma oportunidade de diálogo e intercâmbio entre as publicações, possibilitando trocas e experiências no campo dos estudos de gênero e reforçando antigas e novas redes.

Reitero que ter uma situação consolidada entre os periódicos científicos não significa qualquer possibilidade de acomodação, ao contrário, é mais trabalho garantido, já que os esforços para manter o sucesso e a qualidade editorial se deparam com obstáculos, como algumas contrariedades e divergências que podem se tornar restritivas. Mas, o elemento surpresa está no empenho, na força de trabalho, competência, criatividade e coragem de cada pessoa envolvida nessa rede de produção acadêmica, que consegue romper as barreiras e o silenciamento da própria academia.

Pensar em futuro é recriar cotidianamente estratégias que possibilitem a manutenção da qualidade da Revista Estudos Feministas e a efetividade de sua publicação, é pensar na relevância dos debates propostos e seguir com passos confiantes uma trajetória de trabalho pela democratização do conhecimento, tendo consciência de um lugar científico e social conquistado com competência, ativismo e determinação.

Como futuro, desejamos vida longa para a REF e para todos os periódicos feministas brasileiros. E que os resultados de pesquisas publicados nesses periódicos possam continuar a servir como bases científicas para a transformação social.

Referência

MINELLA, L. S. and PEDRO, J. M. Editorial. Rev. Estud. Fem., v. 12, n. 1, p. 7-12, 2004. ISSN: 0104-026X [viewed 5 October 2019]. DOI: 10.1590/S0104-026X2004000100001. Available from: http://ref.scielo.org/vcs4tq

Link externo

Revista Estudos Feministas – REF: www.scielo.br/ref

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

VEIGA, A. M. O presente e o futuro em rede da Revista Estudos Feministas [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2019 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2019/11/01/o-presente-e-o-futuro-em-rede-da-revista-estudos-feministas/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation