Sistema OJS: agilidade no fazer editorial ou invisibilização do trabalho?

Paulo Guanaes, editor executivo, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Fiocruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

O ambiente clean de um sistema tecnologizado tende a obscurecer a intensidade do trabalho humano (FONSECA; MARTINS,2022).

Logo do periódico Trabalho, Educação e Saúde

A revista Trabalho, Educação e Saúde (TES), editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz, deu início em agosto de 2021 a uma nova etapa em seu trabalho editorial, ao incorporar à sua rotina a tecnologia do sistema OJS (Open Journal System), versão 3.2.1.4. É um aplicativo de software livre, criado pelo Public Knowledge Project (2014) e lançado sob a licença GNU (General Public License), que dá liberdade ao usuário de fazer modificações no programa.

O sistema tem agilizado a prática de comunicação científica da TES e ainda permitiu a criação de um site novo e mais dinâmico para a revista, integrado ao sistema de submissão. Além do gerenciamento de todo o processo de submissão de manuscritos e do fluxo de trabalho editorial, o OJS enseja uma experiência de comunicação direta entre autores, pareceristas e editores e tem a vantagem de já ser conhecido e difundido no meio acadêmico.

Todavia, a implantação de tecnologias na atividade laboral consiste em uma tradicional fonte de reflexão nos estudos sobre o trabalho. Em contraponto às benesses que daí advêm, acarreta modificações de práticas, de estruturas e demanda profissionais especializados.

No editorial do volume 20 da Trabalho, Educação e Saúde, intitulado Trabalho editorial e tecnologias (FONSECA; MARTINS, 2022), a coordenadora da revista e editora científica Angélica Ferreira Fonseca, doutora em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz, e a editora científica Carla Macedo Martins, doutora em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, trazem uma reflexão sobre a incorporação de tecnologias no mundo do trabalho. Com base na própria experiência de ter que assimilar novas práticas de edição, ambas sustentam que “as perspectivas críticas pretendem romper com a ideia de que as tecnologias determinam a organização do trabalho, colocando em evidência a inexistência de um processo linear, no qual as transformações na produção se originam da inovação tecnológica”.

Particularmente no caso dos periódicos científicos, as editoras e autoras do editorial concordam que “existe uma necessidade indiscutível de estabelecer procedimentos ágeis e flexíveis, que permitam processar e arquivar volumes significativos de informação, como, por exemplo, textos e pareceres, além do registro de todo o fluxo editorial da revista”. Por outro lado, destacam que “estas necessidades acabam impondo padrões e normativas que desenham o fazer editorial, o que envolve, inclusive, a interação direta entre distintos sujeitos”, implicando por vezes incompatibilidade entre recursos financeiros necessários e orçamento destinado a publicações científicas.

Não obstante reconhecerem que o sistema OJS acrescenta um ganho em agilidade nas rotinas do trabalho editorial, sobretudo na avaliação por pares, por meio do gerenciamento do processo de submissão, Fonseca e Martins (2022) sublinham como questão para discussão futura a invisibilização que ele provoca no trabalho envolvido (ANTUNES, 2021), vale dizer a produção de trabalhadores e trabalhadoras, como assistentes editoriais, pareceristas, editores executivos, diagramadores, editores científicos, preparadores de texto e revisores.

Referências

ANTUNES, R. Capitalismo de plataforma e desantropomorfização do trabalho. In: GROHMANN, R. (ed.) Os laboratórios do trabalho digital: entrevistas. São Paulo: Boitempo, 2021.

Para ler o artigo, acesse

FONSECA, A.F. and MARTINS, C.M. Trabalho editorial e tecnologias. Trabalho, Educação e Saúde [online]. 2022, vol. 20, e00512179 [viewed 22 June 2022]. https://doi.org/10.1590/1981-7746-ojs00512. Available from: https://www.scielo.br/j/tes/a/FfgtKsnNZMfzfyZ4NmJZ4vt/

Links externos

Open Journal Systems | Public Knowledge Prject: https://pkp.sfu.ca/ojs/

Site institucional – http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/

Trabalho, Educação e Saúde – TES: www.scielo.br/tes

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

GUANAES, P. Sistema OJS: agilidade no fazer editorial ou invisibilização do trabalho? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2022 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2022/06/23/sistema-ojs-agilidade-no-fazer-editorial-ou-invisibilizacao-do-trabalho/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation