Até onde a literatura brasileira contemporânea pode ir?

Laeticia Jensen Eble, Doutora em literatura e editora-executiva da Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Palmas, TO, Brasil

No Brasil, no que se refere à comunicação científica, quando se trata de “internacionalização”, a primeira ideia que vem à mente é a publicação de artigos em inglês. No entanto, o objetivo da internacionalização é proporcionar visibilidade ao que é produzido e publicado, bem como promover a colaboração internacional entre pesquisadores (PEREIRA; LOBÃO; LUCAS, 2017). No entanto, em carta, o Fórum de Editores da Fiocruz afirma que:

A internacionalização da publicação científica deveria ser o resultado virtuoso de políticas de pesquisa voltadas para incentivar colaborações entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros em diversos âmbitos, e não um fator desencadeante dessas práticas. Dificilmente estímulos na produção editorial por si sós serão capazes de alterar genuinamente o atual quadro de colaboração internacional acadêmica. Portanto, esse debate deve se fazer de modo articulado com as políticas tanto de pesquisa quanto de ensino do país (FIOCRUZ, 2015, p. 2).

Em função das especificidades de cada periódico, a internacionalização pode ser alcançada por meio de diversas estratégias editoriais, que não se resumem apenas ao idioma. O público-alvo da Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea (ELBC), por força de sua temática, é formado, sobretudo, por pesquisadores dedicados a estudar a literatura brasileira, em especial a contemporânea. No exterior, os pesquisadores estrangeiros que se debruçam sobre o tema – os chamados brasilianistas –, em função da área que escolheram para atuar, dominam com bom nível de fluência a língua portuguesa. Desse modo, podemos dizer que entre os leitores e autores estrangeiros, o idioma não representa uma barreira de acesso ao conteúdo publicado pela ELBC.

Nesse sentido, a ELBC vai na contramão dos problemas apontados por Silveira, Benedet e Santillán-Aldana (2018, p. 104) como limitantes à internacionalização dos periódicos, entre eles, a manutenção no aspecto linguístico, das línguas de publicação originais e, no aspecto geográfico, de suas temáticas de pesquisa locais. De fato, a singularidade da publicação, em sua especificidade de ser a única atualmente a discutir exclusivamente literatura brasileira contemporânea, em vez de diminuir, alimenta o interesse entre seus pares no exterior.

Além disso, apesar do periódico aceitar normalmente a submissão de artigos em outros idiomas, a grande maioria dos autores estrangeiros costuma submeter seus manuscritos originalmente redigidos em português – muito provavelmente na perspectiva de atingir e dialogar com o grupo de pesquisadores brasileiros, que, no que se refere ao foco da ELBC, é bem mais amplo que o de estrangeiros. Entre 2016 e 2018, a Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea publicou um total de 22 artigos de autores vinculados a instituições estrangeiras da América do Norte, Europa e América Latina. Destes, apenas 6 submissões foram recebidas e publicadas em espanhol, e as demais foram originalmente submetidas em língua portuguesa.

Acrescente-se a isso que, tanto no site do periódico quanto em nossas redes sociais, países de referência em língua inglesa e língua espanhola aparecem entre os principais países de origem dos acessos depois do Brasil (Quadro 1).

Quadro 1 – Principais países que acessam conteúdo do periódico em seu site e nas redes sociais

  Plataforma SciELO Google Analytics Academia.edu Facebook
Brasil Brasil Brasil Brasil
Estados Unidos Estados Unidos Estados Unidos Portugal
Portugal Reino Unido Portugal Argentina
México Rússia Espanha Estados Unidos
Canadá Argentina Argentina México
Observações:
* Dados coletados em 10 de junho de 2019.
** Os acessos não identificados nas bases (“not set” ou “unknown”) não foram incluídos, por não terem uma única origem definida.
*** Os dados do SciELO e do Google referem-se ao período de jan. 2017/dez. 2018, já os do Facebook e do Academia.edu referem-se a todo o período desde a criação do perfil/página.

Não sendo a língua uma barreira, a ELBC vem trabalhando a questão da visibilidade por meio da inserção em indexadores internacionais de prestígio entre os pesquisadores estrangeiros. Além do SciELO, o periódico está presente hoje nos principais indexadores no exterior, tais como Emerging Sources Citation Index (do WoS), Scopus, Modern Language Association (MLA), Latindex, DOAJ, DIALNET, Redalyc, CLASE, entre outros.

O indicador ICDS do MIAR (miar.ub.edu), desenvolvido pela Universidade de Barcelona, é uma ferramenta que mensura a visibilidade do periódico em diferentes bases de dados científicas de abrangência internacional, sendo usado como referência para pesquisadores europeus para aferir a qualidade e confiabilidade dos periódicos. Vale destacar, assim, que entre 2008 e 2018, a ELBC passou de um ICDS de 0,954 para um ICDS de 9,8 (sendo que o valor máximo é 11).

No Scimago Journal & Country Rank (SJR), o medidor de impacto do Scopus, que mede o grau de influência das publicações por meio do número de citações recebidas, a ELBC está atualmente classificada no Quartil 2, na categoria “Literatura e Teoria Literária” (Figura 1), o que é considerado uma posição de destaque. O periódico hoje ocupa o segundo lugar no ranking do SJR dos periódicos brasileiros indexados nessa categoria.[1]

Figura 1 – Classificação da ELBC no SJR Fonte: www.scimagojr.com

No corpo editorial da ELBC participam professores e pesquisadores estrangeiros, como membros do Conselho Editorial e como editores de seção. Dessa forma, o periódico mostra-se aberto à colaboração internacional, da mesma forma que o próprio grupo que lhe deu origem, o Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea (UnB/CNPq), que também conta com inúmeros pesquisadores com afiliação institucional no exterior. Além disso, os próximos dois números da ELBC, por exemplo, trarão dossiês organizados por professores vinculados a instituições estrangeiras: o dossiê do n. 58, sobre “Novas poéticas da migrância”, tem como organizador Leonardo Tonus, da Sorbonne Université; já o dossiê do n. 59, sobre “Literatura além do livro”, tem como organizadores Marguerite Itamar Harrison, do Smith College, e Diego Bustos, da University of New Mexico.

Para ilustrar a importância dessa colaboração, que projeta o periódico no exterior, no vídeo a seguir, Leila Lehnen (Brown University), editora de seção temática da ELBC, comenta um pouco de sua experiência como editora no periódico.

[1] Ficando atrás apenas do periódico Ilha do Desterro, que, por ser dedicado a estudos de linguagem, literatura e estudos culturais em língua inglesa, obviamente tem um público bem mais amplo.

Referências

FIOCRUZ. Fórum de Editores. A internacionalização dos periódicos científicos brasileiros. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015. Available from: http://periodicos.fiocruz.br/sites/default/files/anexos/Carta%20Forum%20Editores%20Fiocruz.pdf

PEREIRA, D. B., LOBÃO, I. S. L. and LUCAS, E. R. O. Internacionalização de periódicos científicos brasileiros: exigências requeridas. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 13, n. esp. CBBD, p. 2300-2313, 2017. ISSN: 1980-6949 [viewed 2 June 2019]. Available from: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/865

SILVEIRA, L.., BENEDET, L. and SANTILLÁN-ALDANA, J. Interpretando a internacionalização dos periódicos científicos brasileiros. Motrivivência, Florianópolis, v. 30, n. 54, p. 90-110, 2018. e-ISSN: 2175-8042 [viewed 2 June 2019]. DOI: 10.5007/2175-8042.2018v30n54p90. Available from: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2018v30n54p90/37037

Links externos

Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea – ELBC: www.scielo.br/elbc

Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea – www.gelbc.com 

ELBC nas redes sociais: Facebook

Sobre Leila Lehnen

Leila Lehnen

Leila Lehnen

Leila Lehnen é professora associada na Brown University (Providence, RI, Estados Unidos). Ensina literatura brasileira contemporânea e atualmente é diretora do departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros na Brown University. É autora de Citizenship and Crises in Contemporary Brazilian Literature (Palgrave MacMillan, 2013). E-mail: leila_lehnen@brown.edu

Sobre Laeticia Jensen Eble

Laeticia Jensen Eble

Laeticia Jensen Eble

Laeticia Jensen Eble é doutora em Literatura e Práticas Sociais pela Universidade de Brasília com a tese Escrever e inscrever-se na cidade: um estudo sobre literatura e hip-hop. É editora-executiva da Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. E-mail: laeticia.jensen@gmail.com

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

EBLE, L. J. Até onde a literatura brasileira contemporânea pode ir? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2019 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2019/06/24/ate-onde-a-literatura-brasileira-contemporanea-pode-ir/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation