Quantos de nós veem? Nova “gramática visual” auxilia na criação de vídeos em línguas de sinais

Alexandre Rosado, Professor, Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Cristiane Taveira, Professora, Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Na internet, nos últimos anos, temos visto uma profusão de vídeos produzidos para e por surdos e, também, para a ampla comunidade de usuários de línguas de sinais. Percebendo esta tendência e o crescente número de produtores caseiros desses vídeos (vloggers, youtubers), dois pesquisadores do Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) realizaram o estudo “Proposta de uma gramática visual para descrição e análise composicional de vídeos digitais em línguas de sinais”, publicado na Revista Brasileira de Educação Especial (v. 25, n. 3), que resultou na elencagem de uma série de elementos que podem servir de apoio para análise e criação de novos vídeos em línguas de sinais.

Não é de hoje que diversos pesquisadores tem chamado atenção para uma nova era nas comunicações, uma era digital e hiperconectada, iniciada ainda na década de 80 com a expansão da internet e o uso de computadores em rede. Mas foi somente nos anos 2000, com a chamada Web 2.0, que surgiram grandes repositórios de vídeos, como o YouTube e o Vimeo, resultando em um acervo gigantesco de vídeos que alcança a casa dos bilhões, e não para de crescer! Os surdos estão entre os que mais se beneficiaram dessa nova infraestrutura digital, justamente pelas línguas de sinais serem registradas, principalmente, em forma de vídeos, colaborando para o amplo registro e crescimento de sua memória visual.

Foi pensando em aperfeiçoar a “leitura de vídeos” em línguas de sinais que, inspirados em trabalhos como o de Rudolf Arnheim (1992), Donis A. Dondis (2007) e Christian Leborg (2015), os pesquisadores do Grupo “Educação, Mídias e Comunidade Surda” propuseram uma gramática visual própria. A ideia de uma gramática visual é detectar elementos básicos da linguagem fílmica, tendo como inspiração aqueles elementos que vemos em línguas escritas (sujeito, verbo, adjetivos, preposições, etc.) e como esses elementos variam e se relacionam.

Proposta de sete elementos básicos para os vídeos em línguas de sinais. ROSADO; TAVEIRA, 2019.

A diferença é que os elementos detectados pelos pesquisadores foram outros: o ator que sinaliza em língua de sinais, o texto que aparece no vídeo, as imagens utilizadas, o cenário de fundo, entre outros. Estes elementos podem variar em tamanho, posição, serem agrupados, terem formatos diferenciados, assim como se repetiram, serem assimétricos, ampliarem-se e reduzirem-se, ter maior peso em relação a outros. É neste jogo de variações e relações que estes elementos básicos fazem entre si que, ao receberem nome e serem catalogados, permitem a designers, produtores de vídeos e outros profissionais de mídia planejarem suas novas criações.

Há 50 anos, Dondis (2007) já nos perguntava: “Quantos de nós veem?”. Os pesquisadores deste estudo esperam que as novas gerações de produtores de vídeos em línguas de sinais tenham acesso ao que Leborg (2015) nos disse de maneira tão clara: “Nós pensamos de maneira diferente quando temos uma linguagem para descrever o que pensamos”.

Referências

ARNHEIM, R. Arte & percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Livraria Pioneira, 1992.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

LEBORG, C. Gramática visual. São Paulo: Gustavo Gili, 2015.

Para ler o artigo, acesse

ROSADO, L. A. da S. and TAVEIRA, C. C. Proposta de uma Gramática Visual para Descrição e Análise Composicional de Vídeos Digitais em Línguas de Sinais. Rev. bras. educ. espec., v. 25, n. 3, p. 355-372, 2019. ISSN: 1413-6538 [viewed 9 December 2019]. DOI: 10.1590/s1413-65382519000300001. Available from: http://ref.scielo.org/cn4z2j

Link externo

Revista Brasileira de Educação Especial – RBEE: www.scielo.br/rbee

Grupo de Pesquisa “Educação, Mídias e Comunidade Surda”: https://edumidiascomunidadesurda.wordpress.com/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ROSADO, L. A. da S. and TAVEIRA, C. C. Quantos de nós veem? Nova “gramática visual” auxilia na criação de vídeos em línguas de sinais [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2019 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2019/12/09/quantos-de-nos-veem-nova-gramatica-visual-auxilia-na-criacao-de-videos-em-linguas-de-sinais/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation