Propagação do empreendedorismo na Educação Básica

Viviane Klaus, professora, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Carine Bueira Loureiro, professora, Instituto Federal Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

O artigo “Do sonho à realização: pedagogia empreendedora, empresariamento da educação e racionalidade neoliberal (ALVES; KLAUS; LOUREIRO, 2021)” traz um ensaio teórico acerca da temática da educação empreendedora tão em voga na atualidade. Discutir tal temática se faz pertinente e necessário dado que nossas formas de ser e estar no mundo, de forma cada vez mais enfática, vem sendo pautada pela lógica empresarial que, na atualidade parece funcionar como um imperativo. O objetivo do estudo foi analisar a racionalidade e os pressupostos que presidem essa cultura empresarial, que tem modelado as políticas e instituições de ensino no Brasil. Um papel de destaque é dado à análise da pedagogia empreendedora, cujo objetivo é utilizar o dispositivo escolar para disseminar na sociedade a mentalidade empresarial. Também se analisam as parcerias público-privadas que se servem da referida pedagogia para formar crianças e jovens empreendedores. Para a problematização, que tem um tom ensaístico, foi selecionado um conjunto de materiais com o intuito de discutirmos a proliferação do empreendedorismo na Educação Básica. O artigo apresenta um breve histórico da figura do empreendedor e da cultura do empreendedorismo, ressaltando sua crescente importância na passagem do capitalismo social keynesiano para o capitalismo neoliberal;  uma discussão sobre a ideia do mercado como processo de aprendizagem e sua conexão com a pedagogia empreendedora, que desloca o foco do processo educativo para o desenvolvimento de competências por parte do aluno-cliente; uma análise da articulação entre o empreendedorismo como modelo normativo de conduta e as novas formas de gerencialização da vida, apontando as consequências, os riscos e as fragilidades implicados por esse modelo educacional, fundado numa racionalidade neoliberal. Entre as principais conclusões, destacamos que: o foco no protagonismo do estudante e na responsabilização individual proposta pela lógica empresarial produz fragmentação social, solapa as estruturas da cidadania e os mecanismos de solidariedade coletiva. Assim sendo, esse modelo, não serve para pensar uma sociedade mais justa e uma educação mais inclusiva – compreendida como bem comum, e não como investimento privado em capital humano. Entendemos que, embora a adequação aos modos de vida que se impõem na atualidade seja uma necessidade, importa a manutenção da escola como espaço e tempo coletivos, de cidadania e de igualdade, e não como fábrica de subjetividades neoliberais para a nova economia.

Imagen: Unplash.

A temática da pedagogia empreendedora é o fio que conecta neste ensaio os três pesquisadores ligados a diferentes grupos de pesquisa e instituições. Mais especificamente, por meio das discussões e estudos desenvolvidos no âmbito do Grupo Educação no Brasil: memória, instituições e cultura escolar (EBRAMIC/CNPq/UNISINOS), do Grupo de Estudos e Pesquisa em Inclusão (GEPI/CNPq/UNISINOS) e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Matemática e Tecnologias (GEPEMAT/CNPq/IFRS), emerge, além de afinidades teóricas, o interesse acerca da temática do empreendedorismo pelo viés da educação escolarizada. A necessidade de discutir tal temática se evidencia quando percebe-se que a cultura empreendedora está cada vez mais presente nos programas e políticas educacionais, sejam estas ações voltadas à gestão escolar e formação de professores, à disseminação das tecnologias digitais na educação, ou à inclusão. Evidencia-se também que o Brasil vai na linha do que já vinha sendo percebido em outros países, conforme problematizado por Stephem Ball (2019, 2014), Pierre Dardot e Christian Laval (2016). No entanto, é fundamental destacar que o cenário brasileiro, dada a condição de vulnerabilidade que atinge mais da metade da população, a pedagogia empreendedora tende a produzir desigualdades sociais ainda maiores.

Os resultados encontrados não têm como intenção representar a totalidade de ações na área da educação empreendedora no Brasil, mas apontar a disseminação do empreendedorismo como um modelo normativo que incita o sujeito a se conceber como uma empresa e a aceitar riscos, segundo uma racionalidade atuarial, que responsabiliza o estudante por sua própria formação, seu sucesso ou fracasso. Assim, a pedagogia empreendedora não só vende uma ilusão, mas reduz o espaço para formas alternativas de conceber a educação como direito do cidadão e bem comum. Compreender o avanço do empreendedorismo na Educação Básica e a (re)inscrição das funções da educação escolarizada no contexto da lógica empresarial possibilita desnaturalizar discursos reformistas e parcerias em voga na área da educação.

A articulação entre as pesquisas realizadas pelos autores possibilitará, em trabalhos futuros, o aprofundamento do estudo da racionalidade e dos pressupostos que presidem a cultura empresarial, bem como da expansão de programas de formação de crianças e jovens empreendedores na Educação Básica.

Referências

BALL, S. Aprendizagem ao longo da vida, subjetividade e a sociedade totalmente pedagogizada. Educação [online]. 2013, vol. 36, no.02, pp. 144-155 [viewed 01 July 2021]. Available from: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/issue/view/697

BALL, S. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

DARDOT, P. and LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

BALL, S. J., MAGUIRE, M. and BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

LAVAL, C., DARDOT, P. A escola não é uma empresa. São Paulo: Boitempo, 2019.

Para ler o artigo, acesse

ALVES, A., KLAUS, V. and LOUREIRO, C. B. Do sonho à realização: pedagogia empreendedora, empresariamento da educação e racionalidade neoliberal. Educação e Pesquisa [online]. 2021, vol. 47 [viewed 01 July 2021]. https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147226115. Available from: http://ref.scielo.org/hy5kmt

Links externos

Educação e Pesquisa – EP: https://www.scielo.br/ep

Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão: http://gepinclusao.com.br/pt/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

KLAUS, V. and LOUREIRO, C. B. Propagação do empreendedorismo na Educação Básica [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2021 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2021/07/01/propagacao-do-empreendedorismo-na-educacao-basica/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation