Machado de Assis em linha lança novo número com mudança de periodicidade e discussões atuais sobre os papeis de gêneros na sociedade brasileira

Ana Carolina Sá Teles, doutoranda em Literatura Brasileira, São Paulo, SP, Brasil

 Hélio de Seixas Guimarães, editor da Machado de Assis em linha, São Paulo, SP, Brasil

mael_logoO periódico Machado de Assis em linha – revista eletrônica de estudos machadianos passa, a partir do seu número 17, a ter três edições anuais, em abril, agosto e dezembro. Trata-se do único periódico do país dedicado a um autor literário brasileiro, celebrado nacional e internacionalmente, com uma vasta fortuna crítica, que envolve as mais diversas áreas do conhecimento.

Nesta edição, o periódico destaca dois artigos sobre o romance Helena. Apesar de a crítica machadiana do século XX ter sido geralmente avessa ao romance em função do tom melodramático, esse aspecto é ressignificado por André Cabral de Almeida Cardoso no artigo “As armadilhas da gratidão: o poder e o código sentimental em Helena”. Cardoso lê a obra à luz da tradição do romance sentimental europeu, mas analisa como, em Helena, o código sentimental é articulado de forma particular e ambivalente, já que envolto pelos mecanismos de favor, característicos da sociedade brasileira. Em sua análise, Cardoso mostra como o código sentimental em Helena pode ser simultaneamente conciliatório e desigual, transparente e opaco, instrumento de opressão e de resistência. As considerações de Cardoso jogam nova luz sobre a importância de Helena no conjunto da obra de Machado de Assis, ao demonstrar como esse romance, peculiarmente sentimental, propõe uma reflexão crítica sobre os mecanismos de poder e opressão contra a mulher vigentes na sociedade patriarcal oitocentista e sobreviventes até hoje nos inúmeros episódios públicos e privados de violência de gênero, frequentes nos noticiários.

Priscila Salvaia, por sua vez, resgata Helena para a análise desse tema urgente na contemporaneidade: os papéis tradicionais de gênero e as possibilidades de subversão desses papeis. Assim, ela estuda o jogo de encenação quanto aos papéis masculinos e femininos na versão de Helena publicada em folhetim, em 1876, nas páginas do jornal O Globo. Na análise, Salvaia atenta para os contrapontos entre a representação do mundo feminino, doméstico, e do mundo masculino, público, que aparecia estereotipada nos folhetins, e a crítica dos mesmos papéis inscritas por Machado no romance. Segundo Salvaia, a heroína Helena tem consciência de sua condição social e possui ascendência indireta sobre resoluções do mundo público, mas não consegue fugir do jugo moral codificado para a experiência feminina. Dessa forma, o romance sugere, por meio da sua protagonista, as possibilidades de ação e subversão que as mulheres tinham num mundo dominado por códigos masculinos.

As reflexões sobre o mal-estar dos indivíduos numa sociedade cujos códigos se constroem à sua revelia, quando não atentam contra sua própria intimidade, estão presentes em dois artigos sobre contos de Machado de Assis lidos pelo viés da teoria e da clínica psicanalíticas. Lucia Serrano Pereira analisa “A cartomante”, segundo a hipótese do “efeito de vertigem”, que a autora compreende como marca estrutural dos contos machadianos. Esse “efeito de vertigem” se observa nos contos provocadores de uma desestabilização inquietante nos leitores, quando confrontados com a quebra da linearidade formal da narrativa relacionada a estados de incômodo e de descontinuidade, que estão em curso tanto na ficção de Machado de Assis quanto no nosso cotidiano. Robson de Freitas Pereira, por sua vez, aproxima a situação do leitor do conto “Pai contra mãe” com a situação do analisando ou do analista diante do mal-estar implicado no desvelamento do real, que no caso do texto machadiano evoca restos do trauma histórico da escravidão.

Esse conjunto de textos demonstra mais uma vez a potencialidade da escrita machadiana de nos aproximar das questões do seu tempo, o século XIX, e também do nosso tempo, no qual muitas dessas questões estão vivas e redivivas no cotidiano dos homens e mulheres.

Para ler os artigos, acesse

GUIMARAES, H. S and SENNA, M. Editorial. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.17, pp.1-2. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169170. Available from: http://ref.scielo.org/xww8yy

MAGALHAES JUNIOR, R. “Singularidades literárias” e “Machado de Assis e a crise de 93”. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.17, pp.3-8. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169171. Available from: http://ref.scielo.org/ydhbt2

PEREIRA, L. S. “A cartomante”: vertigem machadiana. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.17, pp.9-22. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169172. Available from: http://ref.scielo.org/ft2ndx

PEREIRA, R. F. “Pai contra mãe”: quando o outro não é semelhante. Machado Assis Linha[online]. 2016, vol.9, n.17, pp.23-32. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169173. Available from: http://ref.scielo.org/wnnk68

CARDOSO, A. C. A. As armadilhas da gratidão: o poder e o código sentimental em Helena. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.17, pp.33-50. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-6820169174. Available from: http://ref.scielo.org/fyzvdf

SALVAIA, P. Nas fronteiras entre o público e o privado: algumas notas sobre a representação (e subversão) dos papéis de gêneros no folhetim Helena (1876), de Machado de Assis. Machado Assis Linha[online]. 2016, vol.9, n.17, pp.51-66. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169175. Available from: http://ref.scielo.org/nq9s75

PETRAGLIA, B. A astúcia da análise. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.17, pp.67-87. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169176. Available from: http://ref.scielo.org/9s2y3c

OLIVEIRA, M. F. R. A Filosofia em Machado de Assis: Diógenes de Sínope e Quincas Borba. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.17, pp.88-98. [viewed 3rd June 2016]. ISSN 1983-6821. DOI: 10.1590/1983-682120169177. Available from: http://ref.scielo.org/g66qc5

Link externo

Machado de Assis em Linha – MAEL: www.scielo.br/mael

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

TELES, A. C. S. and GUIMARÃES, H. S. Machado de Assis em linha lança novo número com mudança de periodicidade e discussões atuais sobre os papeis de gêneros na sociedade brasileira [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2016 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2016/06/06/machado-de-assis-em-linha-lanca-novo-numero-com-mudanca-de-periodicidade-e-discussoes-atuais-sobre-os-papeis-de-generos-na-sociedade-brasileira/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation