Vendedores ambulantes em Singapura: de problema a símbolo da identidade do país

Nicole Tarulevicz, Professora na Escola de Humanidades na Universidade da Tasmânia, Tasmânia, Austrália

A pesquisa publicada no artigo “Hawkerpreneurs: Vendedores ambulantes, empreendedorismo e reinvenção da comida de rua em Singapura”, publicado na RAE-Revista de Administração de Empresas (v. 58, n. 3), mostra que a transição de Singapura de um posto de comércio da Companhia Britânica das Índias Orientais para uma “economia asiática da Tigre” independente foi acompanhada por um enorme crescimento econômico facilitado por seu status de porto livre e consequente acesso a redes complexas de povos, bens e comércio. Essas redes complexas também criaram fluxos de trabalho e demanda por alimentos baratos para alimentar os trabalhadores, muitos dos quais não tinham acesso a equipamentos de cozinha, ou aos membros da família para cozinhar para eles. Essa demanda foi atendida por vendedores ambulantes, que de forma itinerante ofereciam refeições simples, alimentos cozidos e não cozidos, lanches e bebidas (WARREN, 1986). Os vendedores ambulantes e a comida ambulante desempenharam um papel fundamental na construção da economia de Singapura. Embora celebrados hoje na Singapura contemporânea como preservando a culinária e a cultura nacionais, os vendedores ambulantes passaram por múltiplas reinvenções e foram vistos historicamente como uma necessidade e um problema, especialmente um problema de saúde pública que precisava de regulamentação (HAWKER INQUIRY COMMISSION, 1950).

O hawker centre (centro do vendedor ambulante) é um ícone da Singapura contemporânea e um elemento essencial da identidade nacional, mas que sofreu múltiplas reinvenções. Comida de rua é entendida de diversas maneiras, inclusive como uma referência de culinária e comida local (NATIONAL HERITAGE BOARD, 2013). Na Singapura contemporânea, é também uma abreviação para nação. Juntos, vendedores ambulantes e comidas ambulantes fazem um trabalho cultural e social significativo em Singapura, em particular em torno do pertencimento e da identidade. Recentemente, esse vendedor tem sido repetidamente apresentado como ícone de uma crise que se aproxima, provocada por uma população de vendedores ambulantes idosos. O governo de Singapura, que já reinventou o vendedor ambulante na década de 1960 ao transferi-lo da rua para o hawker centre, está respondendo novamente a essa possível crise.

O governo, trabalhando em conjunto com atores privados, iniciou outra transformação histórica do icônico vendedor ambulante, e desta vez, um elemento chave emergente é o novo empreendedor ambulante, ou “hawkerpreneur”, em inglês. Antes da reinvenção, a codificação do conhecimento sobre vendedores de rua era necessária e fornecida por exposições de museus e celebrações culturais na mídia. O vendedor ambulante tornou-se romanceado, uma figura da história, distanciada de uma nova geração emergente. Esses novos vendedores ambulantes são imaginados por interesses públicos e privados como empreendedores bem-sucedidos e pessoas bonitas, glamorosas e atraentes. Uma mudança no status de “Hawking”, alcançada por uma nova imagem e mudanças estruturais, como as classificações da Michelin, estão sendo usadas para sinalizar essa nova fase da comida de rua de Singapura (MICHELIN GUIDE SINGAPORE, 2016).

A seguir, assista ao vídeo de Krishnendu Ray, editor organizador do Fórum “The business of eating: Entrepreneurship and cultural politics” publicado nessa edição especial da RAE, em que comenta o artigo de Nicole Tarulevicz e a importância da pesquisa sobre os vendedores ambulantes de Singapura.

Referências

HAWKER INQUIRY COMMISSION. Report of the Hawkers Inquiry Commission. Singapore: Singapore Government, 1950.

MICHELIN GUIDE SINGAPORE (Producer). The Michelin guide insider series: the story of Chan Hon Meng. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_1dBTqm90A4

NATIONAL HERITAGE BOARD. Not for sale: Singapore’s remaining heritage street food vendors. Singapore: The Academy, 2013.

WARREN, J. F. Rickshaw coolie: a people’s history of Singapore, 1880-1940. Singapore: National University of Singapore Press, 1986.

Para ler o artigo, acesse

TARULEVICZ, N. Hawkerpreneurs: hawkers, entrepreneurship, and reinventing street food in singapore. Rev. adm. empres. [online]. 2018, vol.58, n.3, pp.291-302. [viewed 27 June 2018]. ISSN 0034-7590. DOI: 10.1590/s0034-759020180309. Available from: http://ref.scielo.org/9r94j9

Link externo

Revista de Administração de Empresas – RAE: www.scielo.br/rae

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

TARULEVICZ, N. Vendedores ambulantes em Singapura: de problema a símbolo da identidade do país [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2018 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2018/06/27/vendedores-ambulantes-em-singapura-de-problema-a-simbolo-da-identidade-do-pais/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation