A carne presa na máquina: leituras de João Gilberto Noll

Milton Colonetti, Editor da seção de resenhas da Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Porto Alegre, RS, Brasil

Com a chegada do seu vigésimo aniversário, a Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea (ELBC) renova seu compromisso com a investigação das relações entre literatura, história e práticas culturais. Neste âmbito entram as reflexões de Ricardo Barberena sobre a obra e a voz de João Gilberto Noll, em “Experiências com as leituras de João Gilberto Noll”, publicado no número 57 da ELBC. O “ensaio-dramático”, como Barberena nomeia seu trabalho publicado na ELBC, nasceu “da vontade de uma constante fusão entre escrita criativa e teoria literária” (BARBERENA, 2019, p. 7). Com base em falas do Noll registradas em um caderno de anotações, Barberena oferece uma análise viva da produção do autor, falecido em 2017.

Barberena é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), onde comanda há alguns anos as atividades que recebem autores contemporâneos da literatura brasileira, e um dos convidados, que se tornou um visitante constante, foi o escritor João Gilberto Noll. Suas performances de leitura trazem em si uma ruptura com os modos de recepção da literatura, muitas vezes subordinados à lógica do mercado e do espetáculo.

Podemos dizer que João Gilberto Noll é uma espécie aedo da angústia mínima que habita as frestas do cotidiano desencantado da modernidade, um mundo carregado pelo peso do excesso de civilização, a marca de uma lógica instrumental que submente e reifica as subjetividades, e que nos cimenta em vez de cimentar as nossas relações, que nos torna átomos separados por solidões continentais.  Noll é uma voz, é uma performance, é de fato um aedo. A forma como ele modula a sua voz, agora perdida em sua atualidade, é também uma forma de expor essa realidade. Um ritmo monotônico e ao mesmo tempo implacável que recai sobre todos os sons, sobre todos os atos, sobre todas as palavras com a mesma intensidade, com o mesmo descuido e indiferença, como se fosse uma mimese do acaso que submete esses indivíduos separados, de si mesmo e de seus pares.

Além disso, sua ficção queer rompe também com os modelos masculinizantes adotados tanto pelo corpo social como um todo quanto por segmentos do poder, principalmente durante os anos da Ditadura Militar iniciada em 1964. Como lembra Idelber Avelar (2014, p. 49), “a ditadura se ancorava numa leitura masculinista e fálica do mundo: desbravar, entrar, penetrar foram imagens constantes” na linguagem dos ideólogos do regime. Esses verbos, na ficção de Noll, são ativados por pulsões que são percebidas como desvios do modelo dado, e vão se realizar em ações nos cantos sórdidos de uma subjetividade perseguida e que não encontra descanso. O corpo como coisa indefinível, fonte de prazer e angústia, objeto de desejo e de nojo, um movimento pendular que funciona como cunha linguística que abre espaço para a investigação daquilo que se esconde sob o silêncio do preterido, esse corpo, procurado, penetrado e penetrante – pelo desejo e pela violência – é a fonte a partir da qual se traçam as linhas de força que compõe a obra de Noll.

A essa vivência subordinada e tribulada, que soa também na voz de leitura assumida por Noll, o professor Ricardo Barberena junta a sua própria voz, como testemunho e como anteparo dialético, buscando expor aquela experiência única que foi ouvir o aedo cantar seu próprio desencanto.

Referência

AVELAR, I. Revisões da masculinidade sob ditadura: Gabeira, Caio e Noll. Estud. Lit. Bras. Contemp., n. 43, p. 49-68, 2014. ISSN: 2316-4018 [viewed 2 June 2019]. DOI: 10.1590/S2316-40182014000100004. Available from: http://ref.scielo.org/xh7bmz

Para ler o artigo, acesse

BARBERENA, R. A. Experiências com as leituras de João Gilberto Noll. Estud. Lit. Bras. Contemp., n. 57, e574, 2019. ISSN: 1518-0158 [viewed 2 June 2019]. DOI: 10.1590/2316-40185716. Available from: http://ref.scielo.org/mmzjcn

Links externos

Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea – ELBC: www.scielo.br/elbc

Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea – www.gelbc.com 

ELBC nas redes sociais: Facebook

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

COLONETTI, M. A carne presa na máquina: leituras de João Gilberto Noll [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2019 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2019/06/26/a-carne-presa-na-maquina-leituras-de-joao-gilberto-noll/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation