A matemática musical como diretriz do desenho urbano de Mileto

Fernanda Cantarim, Pós-doutoranda em Gestão Urbana na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Membro do corpo editorial do periódico urbe, Curitiba, PR, Brasil.

Regras matemáticas são aplicadas no processo de criação de diversos segmentos artísticos, incluindo música e arquitetura. Esta é uma tradição conhecida desde a Grécia Antiga. Por meio da distribuição de volumes e formas, é possível recriar um ritmo em um edifício ou em um traçado urbano, tal qual em uma música. A pesquisadora Carmen de Tomás Medina, da Universidad de Sevilla, apresenta uma pesquisa sobre a relação entre música e traçado urbano na cidade de Mileto. É no artigo “En la ciudad de Mileto subyace la música como directriz de su trazado urbano”, publicado no periódico urbe (vol. 12), que a autora conclui que o desenho urbano de Mileto é baseado em regras aritméticas, astronômicas e geométricas – que se relacionam com o uso da música como instrumento criativo.

A pesquisa de Carmen apresenta uma metodologia analítica, descritiva e aplicada. A autora utiliza de uma investigação documental para fazer uma análise detalhada do tecido urbano de Mileto e de sua relação com regras de composição musical. A principal fonte são os planos de Mileto realizados por Cervera Vera.

A cidade de Mileto é conhecida por seu traçado urbano regular e ortogonal, com uso de simetria, proporção e harmonia para organizar o espaço público e privado de forma hierárquica. A cidade foi idealizada durante o apogeu da civilização grega, por Hipódamo, e se localiza em uma península às margens do mar Egeu. O tecido urbano de Mileto se divide em três zonas: Central (Bairro nobre), Septentrional (Bairro popular), e Zona Meridional (Bairro residencial) (ver figura 01 e 02). O tecido reticular adotado usa de uma proporção de 2:1 (zona meridional) e de 1:1 para as quadras e filas divisórias entre as zonas. O traçado apresenta quadras em dois formatos: quadrado (Zona Meridional) e retangular (Zonas Central e Septentrional). Cada uma dessas zonas se enquadra dentro de retângulos com proporções idealizadas que guardam relação com aspectos matemáticos relacionados com a música.

Figura 1. Desenho e subdivisão das zonas da cidade de Mileto. Fonte: CERVERA (1987).

 

 

 

 

 

 

 

 

Figura 2- Zona Meridional da cidade de Mileto. Fonte: CERVERA (1987).

 

 

 

 

 

 

 

 

Segundo Carmen, Pitágoras categorizava a proporção de 2:1 como definida pela oitava, a base da escala musical; enquanto que a proporção de 1:1 se relaciona com o intervalo uníssono. Também a proporção áurea representa o intervalo da quinta, pelo qual se inicia a construção da escala. Outros filósofos também relacionam tais proporções com harmonia e beleza universal. Mileto tem em seu traçado uma “perfeição” graças ao uso de sons da escala musical para a construção de seu desenho – “Uma música articulada por uma bela y perfecta melodía donde la combinación de los diferentes intervalos aseguran su consonância y armonía” (DE TOMÁS MEDINA, 2020, p. 13).

Referências

BURNS, A. Hippodamus and the planned city. Historia: Zeitschrift für Alte Geschichte [online]. 1976, vol. 25, no. 4, pp. 414-428, ISSN: 0018-2311 [viewed 23 September 2020]. Available from:  http://www.jstor.org/stable/4435519

CERVERA, L. Las ciudades teóricas de Hipódamo de Mileto. Torrejón de Ardoz, Madrid: Real Academia de bellas artes de Santa Isabel de Hungría, 1987.

HERNANDÉZ, C. Mileto, la ciudad antigua turca que fue la cuna de la filosofia. Agência Anadolu. Anadolu Agency, 2018 [viewed 15 September 2020]. Available from:  https://www.aa.com.tr/es/cultura/mileto-la-ciudad-antigua-turca-que-fue-la-cuna-de-la-filosof%C3%ADa/1232618

TOMASINI, M.C. El fundamento matemático de la escala musical y sus raíces Pitagóricas. Palermo: C&T Universidad de Palermo, 2007. Available from: https://www.palermo.edu/ingenieria/downloads/CyT6/6CyT%2003.pdf

Para ler o artigo, acesse

DE TOMÁS MEDINA, C. En la ciudad de Mileto subyace la música como directriz de su trazado urbano. urbe, Rev. Bras. Gest. Urbana [online]. 2020, vol. 12, e20200018, ISSN: 2175-3369 [viewed 21 September 2020]. DOI: 10.1590/2175-3369.e20200018. Available from: http://ref.scielo.org/gg7vkw

Links externos

urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana – URBE: www.scielo.br/urbe

https://www.facebook.com/urbepucpr/

https://twitter.com/urbepucpr

Instituição – Programa de Pós-graduação: https://www.facebook.com/pucproficial/; https://twitter.com/PUCPRoficial; https://www.facebook.com/ppgtu/; https://www.instagram.com/pucproficial/

Página da autora em site institucional:

http://departamento.us.es/duot/index.php/personal/profesorado/item/323-carmen-de-tomas-medina

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CANTARIM, F. A matemática musical como diretriz do desenho urbano de Mileto [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2020 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2020/10/06/a-matematica-musical-como-diretriz-do-desenho-urbano-de-mileto/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation