Para reverter a crise ambiental

Adilson Citelli, Professor titular da Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo e pesquisador do CNPq, São Paulo, SP, Brasil.

Sandra Pereira Falcão, Doutora pela Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo e professora do ensino básico, São Paulo, SP, Brasil.

O artigo “Educomunicação Socioambiental: cidade e escola”, publicado no periódico Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação (vol. 43, no. 2), tem o propósito de demonstrar como os processos de comunicação e de educação podem entrelaçar-se em mútua fertilização para ampliar o debate e promover ações positivas voltadas às temáticas ambientais. Do ponto de vista da comunicação socioambiental, coexistem atualmente produções midiáticas de excelente qualidade e um imaginário coletivo pontuado de enunciados modelares sobre a necessidade de preservar a natureza, sobre a responsabilidade de cada um visando a reverter os múltiplos danos que certos padrões de crescimento urbano (e os seus interesses econômicos e imobiliários) estão impondo a toda a sociedade. A dificuldade reside, entretanto, em articular tal potencial impulsionando mudanças efetivas no ideário ambiental hoje existente.

Os pesquisadores chamam atenção particular para o trabalho que está sendo ou pode ser desenvolvido no âmbito das salas de aula do ensino básico, de modo a associar os recursos da comunicação aos de uma educação comprometida com o debate pedagogicamente profícuo em torno da dimensão socioambiental. Para tanto, realizaram pesquisas de campo abrangendo diferentes regiões de São Paulo e outras cidades brasileiras, elegendo como lócus físico inicial o distrito Vila Medeiros (região nordeste da capital paulista, adjacente ao trecho final da rodovia Presidente Dutra), área marcada pelo fenômeno ilha de calor urbana e seus severos efeitos. Por meio dessa investigação foi possível verificar, sobretudo no que tange às unidades educativas formais, a fragilidade na implantação de projetos dirigidos, ao menos, para o reconhecimento do território no qual as escolas estão inseridas. Sequer os tradicionais Estudos de Meio — via de reconhecimento de certo lugar geográfico e das instigações nele presentes — são realizados de modo significativo. Implicando, certamente, na diminuição da percepção dos mais jovens, ao longo da formação escolar, acerca da pauta socioambiental.

Diante de tal cenário, o estudo enfatiza a ideia segundo a qual existe espaço para vincular as interfaces comunicativas e educativas (ou educomunicativas), no que se pode constituir elemento capaz de promover novas maneiras de os alunos, e por extensão toda a comunidade, tratarem as questões socioambientais — aqui, de modo mais direto, referentes à realidade urbana. Desse ponto de vista, é necessário confiar ao ensino formal — e à conexão entre o que se aprende na escola e o que se aplica além de seus muros — um caminho para evidenciar a temática envolvendo o meio ambiente. Isto sugere robustecer o circuito dialógico entre docentes, discentes, mídia e sociedade, procedimento, ademais, posto como objetivo central da educomunicação. Em outras palavras: trata-se de ativar, em sua amplitude, o próprio circuito comunicacional, passando pela capacidade que lhe é inerente de divulgar mensagens e potencializar o debate público envolvendo sociedade e ambiente.

Para enfrentar tal desafio, os autores propõem incentivar, nas diversas esferas acadêmicas, estudos a respeito de estratégias de comunicação urbana que facultem mudanças virtuosas na maneira de se incorporar a questão ambiental à ação cotidiana nas urbes, tendo como parceiras fundamentais as escolas. Estas precisam estar integradas ao processo, seja na criação de projetos escola-entorno, seja na sua difusão comunitária. É possível, em síntese, concluir que o trabalho sistemático na linha da Educomunicação Socioambiental trará contribuição importante para a formação de atitudes proativas no tangente aos problemas envolvendo os ecossistemas urbanos.

Para ler o artigo, acesse

CITELLI, A. and FALCÃO, S. P. Socio-environmental Educommunication: city and school. Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun. [online]. 2020, vol. 43, no. 2, pp. 21-36, ISSN: 1980-3508 [viewed 9 September 2020]. DOI: 10.1590/1809-5844202021. Available from: http://ref.scielo.org/yyfrdj

Links externos

Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação – INTERC: www.scielo.br/interc/

Facebook: https://www.facebook.com/revistaintercom

Grupo de Pesquisa Mediações Educomunicativas (MECOM):

https://mecomcontato.wixsite.com/mecom

https://www.youtube.com/channel/UCxBqes1lAjh9Ah-oK3X7RFQ/

Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais em Educomunicação

https://www.abpeducom.org.br/abpeducom/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CITELLI, A. and FALCÃO, S. P. Para reverter a crise ambiental [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2020 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2020/10/06/para-reverter-a-crise-ambiental/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation