Estudos recuperam produções poéticas de Machado de Assis

Tiago Seminatti, Assistente Editorial da Machado de Assis em linha – periódico eletrônico de estudos machadianos, São Paulo, SP, Brasil

mael_logoA Machado de Assis em linha número 19 traz dois artigos que tratam da poesia machadiana. Em um deles, Wilton José Marques, professor da Universidade Federal de São Carlos e da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho de Araraquara, discute aspectos da formação literária do escritor por meio da análise do poema “O profeta” e do levantamento de questões relativas a um livro de poemas que Machado de Assis não publicou. No outro artigo, Rilaine Teles de Souza, graduanda em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo, examina o posicionamento teórico e prático de Machado de Assis em relação ao então tradicional sistema de versificação em língua portuguesa e ao novo sistema, de inspiração francesa, que Antônio Feliciano de Castilho difundiu a partir de 1851.

No artigo “As primeiras incertezas, o profeta machadiano e o malogro do primeiro livro”, Wilton José Marques estuda a formação e iniciação criativa de Machado de Assis na poesia e defende que na parte final da década de 1850 e começo dos anos 1860 o autor se afasta do ideário romântico presente em seus primeiros poemas, estabelecendo uma aproximação da estética teatral realista.

Assim, tendo em vista as possíveis incertezas teóricas que atingiriam Machado em seus primeiros escritos poéticos, o pesquisador analisa o poema “O profeta”, que data de 11 de setembro de 1855, com o objetivo de exemplificar como o escritor lidou literariamente com o problema da criação poética. Nesse poema, conforme analisa, Machado adota componentes ligados ao Romantismo e confere à poesia uma “dimensão especial”, uma vez que o profeta/poeta atuaria como “expressão da vontade divina” (p. 26).

Além disso, Marques investiga o projeto de Machado de Assis de lançar seu primeiro livro de poesias entre os anos de 1858 e 1860, cujo título seria Livro dos vinte anos, mas que acabou sem êxito. Ao levantar informações convincentes sobre a iminente publicação do volume, o pesquisador considera a falta de recursos para a publicação, a autocrítica machadiana e a crescente preocupação com o teatro como elementos fundamentais para se entender as causas e os desdobramentos que levaram à não realização da estreia do autor em volume.

Já em “Machado de Assis entre dois sistemas de versificação”, Rilaine Teles de Souza apresenta estudo minucioso sobre as especificidades do verso oitocentista em língua portuguesa, considerando dois sistemas de versificação – o “antigo” e o “moderno” – e o posicionamento que Machado de Assis adotou, sobretudo em sua formação inicial, em relação a ambos.

No início do artigo, Souza apresenta explicação detalhada sobre as diferenças entre o sistema de versificação “antigo” e o “moderno” para, assim, considerar a reforma do sistema de versificação na língua portuguesa, protagonizada por António Feliciano de Castilho, e o debate que tal assunto desencadeou no meio literário brasileiro.

A pesquisadora, então, avalia a influência que o Tratado de metrificação portuguesa (1851), de António Feliciano de Castilho, exerceu na visão crítica e na técnica do jovem poeta Machado de Assis, apresentando elementos presentes na obra do escritor que atestam esse fato, como no estudo da crônica em que o autor comenta A confederação dos Tamoios, de Gonçalves de Magalhães, em maio de 1865.

Finalmente, Souza faz um alerta importante para os estudiosos da poesia machadiana: uma vez que “as nomenclaturas dos dois sistemas de versos foram empregadas concomitantemente” (p. 46), isso pode provocar, ainda hoje, confusões e equívocos na apreciação crítica.

Para ler os artigos, acesse

MARQUES, W. J. As primeiras incertezas, o profeta machadiano e o malogro do primeiro livro. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.19, pp.11-33, ISSN 1983-6821 [viewed 04 April 2017]. DOI: 10.1590/1983-682120169192. Available from: http://ref.scielo.org/vcqxsp

SOUZA, R. T. Machado de Assis entre dois sistemas de versificação. Machado Assis Linha [online]. 2016, vol.9, n.19, pp.34-48, ISSN 1983-6821 [viewed 04April 2017]. DOI: 10.1590/1983-682120169193. Available from: http://ref.scielo.org/xgdyv4

Link externo

Machado de Assis em Linha – MAEL: www.scielo.br/mael/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SEMINATTI, T. Estudos recuperam produções poéticas de Machado de Assis [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2017 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2017/04/05/estudos-recuperam-producoes-poeticas-de-machado-de-assis/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation