A imagem e a força de um povo: os tehêy de pescaria Pataxoop

Werymehe Alves Braz; Professora Indígena da Aldeia Pataxoop de Muã Mimatxi; Itapecerica, MG, Brasil. 

Juarez Melgaço Valadares. Professor da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Para início de conversa

Você vai ser convidado a entrar em um desenho. Um desenho escrita-história-cultura feito a partir da força e da história do povo Pataxoop. Feito com paciência, porque é assim com a força da natureza, com o seu tempo cíclico, com a força do jeito próprio de ser e viver de um povo. D. Liça, professora de cultura da escola da aldeia Muã Mimatxi, localizada no município de Itapecerica, no estado de Minas Gerais, “escreve” com a imagem e com a força do seu povo.

O nosso convite é especial: entrar em um desenho específico, entre centenas de outros “escritos” por D. Liça para contar a história do seu povo. Desenho palavra, palavramundo, tomando a expressão usada por Paulo Freire (1989). Ele faz parte de uma série de outros tehêys de pescaria do conhecimento (BRAZ, 2019), pois é assim que D. Liça nomeia seus desenhos e nos convida a olhar, apreciar e pescar o conhecimento.

Imagem: foto dos autores – 2018

Imagem 1. Valor do Tehêy “A construção do Povo Pataxoop”.

Para falarmos do Tehêy A Construção do povo Pataxoop” desenvolvemos o texto denominado Educação na aldeia e escola indígena de Muã Mimatxi: o tehêy de pescaria de conhecimento, publicado no periódico Educação e Pesquisa, vol. 47, 2021. Nele percebemos os valores de uma interseção entre a origem daquele povo e os tempos atuais. A partir dele nos encontramos com algumas palavrasmundo: Yãmixoop, Txihy, Yãnthi, katwee. Nos deparamos com os mitos de origem, e a resistência e luta incansável dos Txihy contra Yãnthi; entendemos, a partir dessa construção original, como o povo Pataxoop construiu uma escola e uma educação como instrumento de luta.

A força da imagem para falar de uma educação, de um modo de vida, de uma resistência que vem da terra e da ancestralidade de um povo é construída pela Professora Werymehe, da etnia Pataxoop, e professora da escola Pataxoop de Muã Mimatxi, e pelo professor Juarez Melgaço Valadares da Faculdade de Educação da UFMG. Juntos, eles traduzem a força da imagem que revela a luta de um povo em resgatar e valorizar a cultura para continuar sua história, em um momento de tantas ameaças aos povos indígenas em nosso Brasil.

É para percorrer esse caminho que você está convidado a ler o texto completo.

Referências

BRAZ, Werymehe Alves. Tehêy de pescaria de conhecimento. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Formação Intercultural para Educadores indígena) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo. – Autores Associados. Cortez, 1989 (Coleções polêmicas do nosso tempo).

 

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

BRAZ, W.A. and VALADARES, J.M. A imagem e a força de um povo: os tehêy de pescaria Pataxoop [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2021 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2021/12/10/a-imagem-e-a-forca-de-um-povo-os-tehey-de-pescaria-pataxoop/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation