RAE: História e tradição em publicação científica

Andréa Cerqueira Souza é especialista em marketing, atua com comunicação e marketing científico em publicações da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, SP, Brasil

Carlos Osmar Bertero

Carlos Osmar Bertero

Em sua Carta ao Leitor na segunda edição da RAE em 1991, Gisela Taschner Goldenstein, então diretora, celebrava os 30 anos do periódico cuja trajetória, em suas palavras, não foi linear. A diretora afirmou que, assim como toda publicação científica com o perfil da RAE, teve altos e baixos, vivendo momentos de euforia e de crise e, ainda assim, permaneceu sempre à frente de seu tempo, fazendo do alto nível de seus artigos a sua marca registrada. Naquele período, RAE investiu para aumentar sua periodicidade, ganhou um novo projeto gráfico e novas seções, mudanças que contaram com o apoio inestimável do seu público (GOLDENSTEIN, 1991).

Alguns anos depois, em comemoração aos 45 anos do periódico, Carlos Osmar Bertero, editor-chefe do periódico na ocasião, lembrou a trajetória da publicação. Sobre o período de lançamento do periódico, disse: “Na verdade, editar uma revista de Administração de Empresas em 1961 foi uma ousadia. O país mal começara a ter cursos de graduação em Administração. As primeiras turmas da FGV e da USP ainda estavam nos bancos escolares e se lançou uma revista” (BERTERO, 2006). Naquele período, o principal objetivo era ter um periódico que ajudasse a divulgar um novo campo de ensino, Administração de Empresas, cujos cursos estavam ainda no início do Brasil, relatou Bertero. Esse propósito de atender o público acadêmico e inovar no campo da pesquisa em Administração fez com que a RAE, desde seu início, procurasse promover o estudo e a reflexão crítica da área, como destacam Valente e Serafim (2006). Os autores relatam também que no início, o principal desafio era a falta de pesquisadores e autores que escrevessem artigos científicos de Administração, justamente porque o campo era novo no Brasil, assim, várias edições contavam com a tradução de artigos estrangeiros, muitos dos quais se tornaram clássicos da literatura da área (BERTERO, 2006; VALENTE; SERAFIM, 2006), realidade bem diferente da atual, quando o número de submissões de artigo ultrapassa 900 ao ano (TONELLI, 2017). Curiosamente, se no início do periódico carecia da tradução de artigos para completar suas edições, os últimos indicadores apontam que, com o processo de internacionalização em curso, 69% dos artigos publicados em 2016 foram em língua estrangeira (inglês e espanhol) e cerca de 53% dos autores eram principalmente de Portugal e Espanha, seguidos de América Latina & Caribe, EUA, México & Canadá, além de outros países da Ásia, Oceania e Europa (TONELLI, 2017).

Os gestores foram sempre fundamentais para a trajetória da RAE. Nesta jornada de mais de cinco décadas de vida, RAE foi conduzida por diretores, redatores ou editores-chefes, em 22 diferentes períodos, como revela a pesquisa conduzida por Favaretto e Francisco (2017), publicada na edição que comemora o aniversário de 55 anos da RAE (volume 57, número 4, 2017). Os autores analisaram e identificaram períodos da gestão, nos quais dois deles repetiram sua passagem pelo periódico, o professor Bertero, de 1967 até 1968 e o segundo, de 2005 até 2007, e o professor Sérgio Micelli Pessoa de Barros, de 1980 até 1982 e de 1984 até 1985. Visto pelo total de tempo em que ocupou o cargo de gestor da RAE, o professor Eduardo Henrique Diniz foi o editor-chefe que mais tempo permaneceu no periódico, de 2009 a 2016 (FAVARETTO; FRANCISCO, 2017).

Neste vídeo o professor Bertero compartilha sua experiência, destaca o trabalho de outros editores e as mudanças na trajetória da RAE e no cenário da produção acadêmica em Administração de Empresas no Brasil.

Para ler os artigos, acesse

FAVARETTO, J. E. R. and  FRANCISCO, E. R. Exploração do acervo da RAE-Revista de Administração de Empresas (de 1961 a 2016) à luz da bibliometria, text mining, rede social e geoanálise. Rev. adm. empres. [online]. 2017, vol.57, n.4, pp.365-390. [viewed 29 August 2017]. ISSN 0034-7590. DOI: 10.1590/s0034-759020170407. Available from: http://ref.scielo.org/k4nqwz

BERTERO, C. O. A RAE nos seus 45 anos. Rev. adm. empres. [online]. 2006, vol.46, n.2, pp.114-117. [viewed 21 August 2017]. ISSN 0034-7590. DOI: 10.1590/S0034-75902006000200008. Available from: http://ref.scielo.org/mn6wbg.

GOLDENSTEIN, G. T. Carta ao leitor. Rev. adm. empres. [online]. 1991, vol.31, n.2, pp.I-I. [viewed 29 August 2017].  ISSN 0034-7590: DOI: 10.1590/S0034-75901991000200001. Available from: http://ref.scielo.org/9shsyd

TONELLI, Maria José. Nosso futuro demanda mais da produção acadêmica. Rev. adm. empres. [online]. 2017, vol.57, n.1, pp.8-8. [viewed 21 August 2017]. ISSN 0034-7590. DOI: 10.1590/s0034-759020170101. Available from: http://ref.scielo.org/xtrw68

BERTERO, C. O. A RAE nos seus 45 anos. Rev. adm. empres. [online]. 2006, vol.46, n.2, pp.114-117. [viewed 23 August 2017]. ISSN 0034-7590. DOI: 10.1590/S0034-75902006000200008. Available from: http://ref.scielo.org/mn6wbg

Sobre Andréa Cerqueira Souza

Publicitária (Claretiano Faculdade) e especialista em marketing (FGV), atua com comunicação e marketing científico em publicações da Fundação Getulio Vargas. E-mail: andrea.csouza@fgv.br

 

 

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SOUZA, A. C. RAE: História e tradição em publicação científica [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2017 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2017/08/29/rae-historia-e-tradicao-em-publicacao-cientifica/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation