A avaliação educacional na produção científica vista por meio de análise de redes sociais

Alvaro Chrispino, Doutor em Educação pela UFRJ, Professor Titular Sênior do Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Educação do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ), Bolsista de Produtividade em Educação do CNPq, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Luiz Ney d’Escoffier, Tecnologista. Fundação Oswaldo Cruz. Doutorando do Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Educação do CEFET-RJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Camila Cristina Gomes Ferreira de Oliveira, Analista de Sistemas. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Doutora em Ciência, Tecnologia e Educação pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Lívia da Fraga Lima, Doutoranda em Engenharia de Produção e Sistemas, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Logo: Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em EducaçãoA avaliação é um tema amplo e complexo. Amplo porque está intimamente ligado aos diversos setores da sociedade contemporânea. Os cidadãos se relacionam com ele de formas distintas, desde a avaliação profissional a que estamos sujeitos até a avaliação de aprendizagem em todos os níveis. Estamos submetidos ao processo avaliativo ou somos expostos ao resultado das avaliações.

É complexo, porque há inúmeras variáveis e atores sociais envolvidos nos “fatos” que solicitam a avaliação; na elaboração, aplicação e análise da avaliação de diversos tipos e nas “consequências” dos resultados dos processos avaliativos.

Em educação, o tema é especialmente importante. Há momentos em que atuamos como sujeitos da avaliação – na fase de alfabetização (Avaliação Nacional de Alfabetização), no Ensino Fundamental (Prova Brasil ou Sistema de Avaliação da Educação Básica – Saeb), na conclusão do Ensino Médio e da Educação Superior (Exame Nacional do Ensino Médio – Enem e Exame Nacional de Desempenho de Estudantes – Enade) e, por fim, como alunos das pós-graduações (avaliações quadrienais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes). Em outros momentos, atuamos como atores sociais e observadores da avaliação como mensuração de competências gerais: o ranking do Enem, o ranking do Enade, o ranking do Programme of International Student Assessment (Pisa), o ranking da Pós-Graduação etc.

Por conta do impacto e relevância da avaliação educacional, o artigo A avaliação educacional na produção científica vista por meio de análise de redes sociais, publicado na Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 2022, vol. 30 (115), analisou a produção científica brasileira relacionada ao tema por meio de busca na rede de SciELO. Para tal, utilizou as palavras-chave “avaliação educacional” ou “avaliação da Educação” para todos os índices (periódico, resumo, título, ano e autor), sem recortes temporais ou outras restrições. A amostra obtida alcançou 19 anos (1998-2017), 49 revistas, 174 artigos, 440 autores, 290 palavras-chave e 4.283 referências e foi submetida a software de Análise de Redes Sociais, buscando as centralidades de grau, de proximidade e intermediação.

Imagem: Pixabay

Como pontos principais, o estudo demostrou que (1) a USP foi a instituição com maior número de publicações e colaborações sobre o enfoque “avaliação educacional”, relacionando-se ainda com outras 27 instituições em coautoria; (2) ao verificarmos os 440 autores por meio da ARS, foi possível observar a existência de apenas 12 subconjuntos de coautoria e que apenas 64 autores publicaram mais de uma vez, aparentando ser um assunto casual que não necessariamente faz parte de suas linhas de pesquisa; (3) no que refere aos autores, destacam-se Wagner Andriola, da UFC, e Alicia Bonamino, da PUC-Rio, com números elevados de publicações na amostra; (4) há domínio da área da saúde nesse estudo e, quando tratamos da área da educação, as palavras-chave ligadas as temáticas aprendizagem e Ensino são abordadas de forma consistente; (5) 38,3% das referências citadas foram escritas em outras línguas; (6) a maioria dos trabalhos catalogados tiveram como foco os níveis Graduação e Pós-Graduação e (7) o periódico “Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação” concentra o maior número de publicações na área de Educação.

Em síntese, verificamos que a pesquisa sobre avaliação educacional no Brasil tem ênfase na Educação Superior, em especial, na área de saúde. A pouca produção nos 19 anos observados aborda uma temática geral dispersa, mais preocupada com validações de testes específicos do que com qualidade da Educação. Nossa pesquisa reafirma o lugar comum da ciência brasileira: as três instituições que mais produziram no assunto são públicas e localizadas na região sudeste do país, centradas em poucos pesquisadores.

No texto, concluímos “parafraseando Gomes (1999, p. 267), a qualidade da Educação certamente não se reduz ao desempenho nas avaliações, ‘mas incontestavelmente [a] inclui’. Porém, para que isso aconteça de maneira eficiente, pesquisas no campo da avaliação e da meta-avaliação são vitais para a oferta de evidências que favoreçam políticas públicas que diminuam as desigualdades e a maior autonomia das escolas e dos estudantes. Na amostra de pesquisa apresentada, o número e o perfil das pesquisas são restritos e isso é preocupante visto que, como escrevem Estrela e Nóvoa (1999), a avaliação cresceu a partir de dois elementos: a crise e a reforma e, como todos sabemos, o Brasil vive hoje ondas de crises e de reformas”.

Leia mais

ESTRELA, A. and NÓVOA, A. (orgs.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999.

GOMES, C. A. Sucesso e fracasso no ensino médio. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. 1999, vol. 7, no. 24, pp. 259-280.

Para ler o artigo, acesse

D’ESCOFFIER, L.N., et al. A avaliação educacional na produção científica vista por meio de análise de redes sociais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação [online]. 2022, vol. 30, no. 115 [viewed 13 Abril 2022], pp. 285-311. https://doi.org/10.1590/S0104-403620210002903135. Available from: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/BCKB3KnPWdzYyQxvLYy6zcv/

Link(s)

Luiz Ney d’Escoffier. http://orcid.org/0000-0002-0392-1628

Camila Cristina Gomes Ferreira de Oliveira. http://orcid.org/0000-0002-4147-5438

Lívia da Fraga Lima. http://orcid.org/0000-0003-4397-0982

Alvaro Chrispino. http://orcid.org/0000-0001-9914-3471

Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação: https://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/ensaio

Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação – Redes sociais: Facebook, Twitter

Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação – ENSAIO: https://www.scielo.br/j/ensaio/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CHRISPINO, A., D’ESCOFFIER, L.N., OLIVEIRA, C.C.G.F. and LIMA, L.F. A avaliação educacional na produção científica vista por meio de análise de redes sociais [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2022 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2022/05/13/a-avaliacao-educacional-na-producao-cientifica-vista-por-meio-de-analise-de-redes-sociais/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation