Da utopia à realidade: bibliotecas sustentáveis e verdes no Brasil

Nathalice Bezerra Cardoso, Pesquisadora colaboradora do Grupo de Pesquisa Biblioteca Pública no Brasil: reflexão e prática, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Elisa Campos Machado, Professora Associada Classe D Nível I, do Departamento de Estudos e Processos Biblioteconômicos, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

O Brasil é um dos líderes mundiais em recursos naturais e, dessa maneira, tem a tarefa de trabalhar na construção de políticas públicas voltadas para a preservação do meio ambiente e para o desenvolvimento sustentável, de maneira a regular, estruturar e induzir ações e práticas sustentáveis.

Sabe-se que a biblioteca é um espaço de acesso e produção de informação e conhecimento e o bibliotecário, um dos profissionais responsáveis pela disseminação da informação; assim, é determinante que essa temática seja incorporada pelos agentes atuantes no campo da Biblioteconomia e da Ciência da Informação no Brasil, além de se transformarem em protagonistas nesse cenário.

Segundo dados do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (2015), o país conta com 6.102 bibliotecas públicas municipais e estaduais distribuídas nos 26 estados e no Distrito Federal. É o equipamento público cultural mais presente nos municípios brasileiros, com potencial para se transformar em um centro de apropriação, produção e difusão de informação e conhecimento ambiental.

Pesquisadoras da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro desenvolveram e publicaram o artigo “Bibliotecas verdes e sustentáveis no Brasil” no volume 29, número 2, de 2017 do periódico Transinformação da PUC-Campinas que defende a ideia de que o Brasil tem por missão adotar o conceito de bibliotecas sustentáveis de maneira a orientar os governos locais a transformarem suas bibliotecas públicas municipais e estaduais em espaços culturais públicos verdes, de acesso à informação ambiental e de referência no incentivo às práticas sustentáveis. No entanto, para que isso ocorra é necessária a criação de diretrizes para que essas bibliotecas públicas adotem princípios de sustentabilidade em seus prédios, serviços e práticas. Os pesquisadores elencaram diretrizes para auxiliar a elaboração de políticas públicas visando melhorar a relação das bibliotecas públicas brasileiras com o meio ambiente, no sentido de transformá-las em bibliotecas verdes e sustentáveis.

Afirmam também que investimentos governamentais para a construção e modernização de bibliotecas públicas devem levar em consideração critérios e diretrizes os quais orientem o funcionamento de bibliotecas verdes no país com capacidade de incidir positivamente no desenvolvimento sustentável de sua região contribuindo assim para melhorar a qualidade de vida da população.

O estudo foi realizado no âmbito do Programa de Pós-graduação em Biblioteconomia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Para ler o artigo, acesse

CARDOSO, N. B.  and MACHADO, E. C. Bibliotecas verdes e sustentáveis no Brasil. Transinformação [online]. 2017, vol.29, no.2, pp.141-149, ISSN 2318-0889 [viewed 3 October 2017]. DOI: 10.1590/2318-08892017000200002. Available from: http://ref.scielo.org/cysn66

Links externos

Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas – SNBP: http://snbp.culturadigital.br/informacao/dados-das-bibliotecas-publicas

Transinformação – TINF: www.scielo.br/tinf/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

CARDOSO, N. B. and MACHADO, E. C. Da utopia à realidade: bibliotecas sustentáveis e verdes no Brasil [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2017 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2017/10/10/da-utopia-a-realidade-bibliotecas-sustentaveis-em-espacos-verdes-no-brasil/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation