O comércio de gentes nas praias do litoral norte de São Paulo

Thiago Campos Pessoa, Doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Aquarela do Tenente Francis Meynell mostra africanos libertados pela Marinha Britânica no convés inferior do negreiro Albanez (erroneamente identificado como Albatroz no catálogo do National Maritime Museum, Londres). O tumbeiro brasileiro, capturado pelo navio da Marinha Real Albatross na foz do rio Kwanza em 1845, navegou por águas africanas até 1849. “Slave Deck of the Albaroz, Prize to the Albatross”, Slavery Images: A Visual Record of the African Slave Trade and Slave Life in the Early African Diaspora, accessed September 14, 2020.

O artigo “Sobre o que se quis calar: o tráfico de africanos no litoral norte de São Paulo em tempos de pirataria”, publicado no periódico História (São Paulo, vol. 39), analisa um dos pontos mais obscuros de nossa história nacional: o comércio negreiro na clandestinidade. Estima-se que cerca de 800 mil africanos tenham desembarcado ao longo do litoral brasileiro entre as décadas de 1830 e 1850, 1/6 de todo o volume do tráfico humano para o Brasil em 300 anos de história. Apesar de importantes pesquisas realizadas, ainda hoje pouco se sabe sobre onde desembarcavam, quem os comercializava e como funcionava, efetivamente, a logística e as redes do comércio negreiro na ilegalidade. O estudo em destaque provoca os silêncios sobre o tráfico de africanos em seu período mais intenso e obscuro, tendo como espaço de análise o litoral norte de São Paulo.

O artigo é parte da pesquisa “Ilícitas fortunas: o tráfico ilegal de africanos no Vale do Café” desenvolvida em nível de pós-doutorado no programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Concluído em 2019, o projeto analisou a reestruturação ilegal do comércio negreiro ao longo do litoral que margeava o complexo cafeeiro entre o sul fluminense e o norte de São Paulo. O financiamento da pesquisa pela FAPERJ possibilitou a consulta de diferentes acervos documentais no Brasil e no exterior, especialmente nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Lisboa e Londres, fontes que evidenciaram as teias de personagens, suas agências, e os lugares especializados no crime de reduzir pessoas juridicamente livres à escravidão em solo brasileiro.

De maneira geral, os resultados da pesquisa demonstram como fazendas, sítios e barracões foram montados ao longo do litoral fluminense e paulista para finalizar os empreendimentos negreiros. De igual maneira, revelam-se como sitiantes, fazendeiros, negociantes, muitos deles comendadores, barões e viscondes, estiveram intimamente integrados às agências atlânticas na reestruturação do comércio de africanos na clandestinidade. Por fim, evidencia-se que a ocultação desses personagens e de seus portos negreiros foi parte do bem sucedido projeto político da classe senhorial do Brasil oitocentista em silenciar a natureza do Estado brasileiro e as origens das fortunas dos afanados barões do café.

Capítulos de livros e artigos, a além de outros estudos, tornaram públicos alguns dos resultados da pesquisa. Seus desdobramentos continuam em curso com a preparação de dois livros a serem publicados nos próximos anos. O primeiro, organizado com outros especialistas no tema, trará ao público as mais recentes pesquisas sobre os principais negreiros brasileiros atuantes na clandestinidade. A outra obra, ainda em fase de coleta e análise dos dados, analisará o tráfico ilegal de africanos no sudeste brasileiro, em parceria com o professor Walter Pereira.

Para saber mais sobre o tráfico de africanos no litoral norte de São Paulo, assista ao vídeo de Thiago Campos Pessoa.

Referências

CARVALHO, M. J. M. O desembarque nas praias: o funcionamento do tráfico de escravos depois de 1831. Revista de História [online], 2012, no. 167, pp. 223-260. ISSN: 2316-9141 [viewed 26 November 2020]. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i167p223-260. Available from: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/49091

CHALHOUB, S. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MAMIGONIAN, B. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MATTOS, H. Diáspora negra e lugares de memória: a história oculta das propriedades voltadas para o tráfico clandestino de escravos no Brasil imperial. Niterói: EDUFF, 2013.

PEREIRA, W. L. C. de M. et al. Silêncios atlânticos: sujeitos e lugares praieiros no tráfico ilegal de africanos para o sudeste brasileiro (C.1830 – C.1860). Estud. hist. (Rio J.) [online]. 2019, vol. 32, no. 66, pp. 79-100. ISSN: 2178-1494 [viewed 26 November 2020]. https://doi.org/10.1590/s2178-14942019000100005. Available from: http://ref.scielo.org/2tdkf2

PESSOA, T. C. O império da escravidão: o complexo Breves no vale do café (Rio de Janeiro, c.1850-c.1888). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2018.

RODRIGUES, J. De Costa a Costa: escravos, marinheiros e intermediários no tráfico negreiro de Angola para o Rio de Janeiro. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

Para ler o artigo, acesse

PESSOA, T. C. Sobre o que se quis calar: o tráfico de africanos no litoral norte de São Paulo em tempos de pirataria. História [online]. 2020, vol. 39, e2020030. ISSN: 1980-4369 [viewed 26 November 2020]. https://doi.org/10.1590/1980-4369e2020030. Available from: http://ref.scielo.org/hxbc6y

Links externos

Ebook “Do tráfico ao pós abolição: Trabalho compulsório e a livre luta por direitos sociais no Brasil”: http://oikoseditora.com.br/files/Do%20tr%C3%A1fico%20ao%20p%C3%B3s-aboli%C3%A7%C3%A3o%20-%20E-book.pdf

História (São Paulo) – HIS: www.scielo.br/his

Passados Presentes: memória negra no sul fluminense (2011, legendas em português): https://www.youtube.com/watch?v=-D629WbeRVU

Slavery Images: http://www.slaveryimages.org/

Viagens em Escravo: https://www.slavevoyages.org/

Sobre o autor

Thiago Campos Pessoa é pesquisador doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Autor de O Império da Escravidão: o complexo Breves no Vale do café (Rio de Janeiro, c.1850 – c.1888), livro vencedor dos prêmios do Arquivo Nacional e do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. Atua no ensino e pesquisa em história do Brasil, com ênfase no período imperial e na história da escravidão. E-mail: tcpessoa@hotmail.com
Lattes: http://lattes.cnpq.br/3845380921843358

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

PESSOA, T. C. O comércio de gentes nas praias do litoral norte de São Paulo [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2020 [viewed ]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2020/11/26/o-comercio-de-gentes-nas-praias-do-litoral-norte-de-sao-paulo/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation