Estudos feministas em debates contemporâneos

Ana Maria Veiga, historiadora e editora de notícias da Revista Estudos Feministas (REF), Florianópolis, SC, Brasil

O periódico Revista Estudos Feministas mantém sua inserção nos principais debates contemporâneos, provocando reflexões a partir de textos autorais de diversos/as intelectuais brasileiros/as e estrangeiros/as, que dialogam com tendências mundiais. Entre elas, podemos citar Austin (2012), Costa (2014) e Haraway (2004). A REF, que se tornou há décadas referência para os estudos de gênero, feministas, queer e interseccionais, acaba de publicar seu segundo número de 2017.

Entendendo os feminismos contemporâneos como frente para um amplo espectro de resistências e ações, a Revista Estudos Feministas proporciona uma arena que é, ao mesmo tempo, acadêmica e política, acolhendo perspectivas diversas, sem perder de vista as reivindicações e os protestos pela equidade de gênero.

Apontamos, como proposta editorial, a elaboração de seções temáticas e seções de debates que acompanham e são movidas pelas demandas atuais em torno do gênero e das categorias que com este conceito se articulam.

Cláudia Junqueira de Lima Costa é a organizadora da seção debate do número 2 de 2017, que traz três temas inter-relacionados e de grande importância na atualidade para o feminismo: a crise climática, o retorno da materialidade na teoria social (vitalismo crítico) e a necessidade do descentramento do humano. Ela nos explica do que se trata a seção.

“Podemos dizer que já é consenso na comunidade científica que as mudanças climáticas se tornaram uma das maiores ameaças que qualquer tipo de organismo existente no planeta enfrenta hoje. Falar sobre aquecimento global, por sua vez, é invocar os acalorados debates sobre o Antropoceno. O termo faz referência a uma nova era geológica, quando os seres humanos se tornaram uma força não apenas biológica, mas sobretudo geológica, entremeando assim duas cronologias/formas de vida: a dos humanos e a dos não humanos (orgânicos e inorgânicos). Partindo do pressuposto de que, segundo Donna Haraway, somos multiespécies ‒ estamos sempre já emaranhadas com outras espécies/materialidades ‒ nos vemos diante da necessidade de articulação de outro tipo de racionalidade ou episteme: ao contrário da racionalidade ocidental tradicional e dos paradigmas representacionais, trata-se de um refletir sobre nossas conexões parciais com materialidades humanas e não humanas. É um pensar corporificado e relacional, já que os conceitos e as abstrações resultantes do processo de conhecimento não constituem um mundo separado da matéria e das coisas. Para conhecer, precisamos estar imersas na matéria e no mundo através de um contínuo engajamento.”

Cláudia Lima Costa continua: “Os artigos desta seção, assinados por Stacy Alaimo, Hanna Meissner, Izabel Brandão e Melina Savi, explorando as contribuições do vitalismo crítico para um ‘pensar como espécie’, apontam para a necessidade de se efetuar um deslocamento político e epistemológico do humano (e da racionalidade eurocêntrica) para o pós-humano. Estas abordagens epistemológicas também pedem uma mudança ontológica, isto é, um movimento partindo do ponto de vista de que há diferentes perspectivas sobre uma realidade objetiva e universal para um reconhecimento de múltiplos mundos/realidades.”

No segundo semestre de 2017, o número 3 da REF publicará a seção temática “Gênero, cinema e audiovisual”, atendendo às demandas de pesquisas acadêmicas recentes que entrelaçam a produção cinematográfica e audiovisual em geral com abordagens de gênero, buscando interpretações, teorias e práticas.

Convidamos todos a visitarem a página da REF no portal SciELO, a aproveitarem os frutos desses debates acadêmicos e a pensarem como poderão, também, apresentar suas contribuições.

Referências

AUSTIN, W. J. and HOLBROOK, J. M. Is the Anthropocene an issue of stratigraphy or pop culture? GSA Today, v. 22, n. 7, p. 61-62, July 2012.

COSTA, C. L. Os estudos culturais na encruzilhada dos feminismos materiais e descoloniais. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 44, p. 79-103, 2014.

HARAWAY, D. Ecce Homo, Aint (Ar’n’t) I a Woman, and Inappropriate/d Others: The Human in a Post-Human Landscape. In: HARAWAY, Donna. The Haraway Reader. Nueva York: Routledge, 2004. p. 47-61.

Para ler os artigos, acesse

Rev. Estud. Fem. vol.25 no.2 Florianópolis May/Aug. 2017

Link externo

Revista Estudos Feministas – REF: www.scielo.br/ref

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

VEIGA, A. M. Estudos feministas em debates contemporâneos [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2017 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2017/07/20/estudos-feministas-em-debates-contemporaneos/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation