Author: Interface

A hemofilia e a exclusão à saúde no Brasil e no Mundo

Estudo apresenta uma análise bioética do acesso global e brasileiro ao concentrado de fator de coagulação por hemofílicos, demonstrando um quadro marcado por extremas disparidades de acesso determinadas pela dominação de materiais, ideias e instituições pelos países centrais, o que compromete o cumprimento do direito humano fundamental à saúde. Read More →

A epidemia de Gripe Espanhola em Botucatu, São Paulo, 1918. “Bons Ares” para quem?

Pesquisa sobre a passagem da Gripe Espanhola em Botucatu, interior paulista, na primavera de 1918, levanta inédita documentação histórica, historiciza estratégias e iniquidades em contexto epidêmico e desconstrói mitos de origem, apresentando Igreja Católica, Maçonaria e Partido Republicano Paulista como forças sociais no socorro aos enfermos. Read More →

Um BASTA na violência sexual e em função de gênero na Universidade: a construção de diretrizes para orientar ações institucionais

Como acabar com a violência sexual e de gênero dentro das Universidades? Confira o estudo que analisou as condições de enfrentamento da violência em função de gênero no contexto universitário e propôs a construção de uma normativa, visando coibir esta violência e traçar caminhos para lidar com vítimas e agressores, sensibilizar e educar a comunidade universitária. Read More →

Como as pessoas vivendo com HIV/Aids percebem sua saúde bucal?

Por meio de pesquisa qualitativa — grupos focais e entrevistas — em serviço de IST/Aids, sobre saúde bucal com PVHA, os pesquisadores observaram a necessidade de formação dos dentistas para além das técnicas e guidelines vigentes, destacando a importância da escuta e das relações dialógicas para ampliar a relação de cuidado. Read More →

O que pode a clínica na interface com a dança? Problematizações da saúde mental na Atenção Básica

A saúde mental na Atenção Básica é o tema de estudo que adentra uma unidade de saúde da família e convida a clínica a dançar. A pesquisa se utiliza do método cartográfico para apostar nas ressonâncias entre os campos da arte e da clínica. O chão torna-se aliado na proposta de uma clínica que faça proliferar sentidos. Read More →

Desafiando poderes coloniais na construção do conhecimento acadêmico – autoetnografia performática, corpos e subjetividades

Entre (in)visibilidades de corpos (não) heteronormativos na educação médica, olhamos para nossos corpos. Em meio a gritos emudecidos de corpos negados pela sua “extrema subjetividade”, estudo autoetnográfico performático representa uma ousadia em falar e romper com os silêncios que a “Ciência” impõe, partindo do pessoal para o político. Read More →

Seria o uso de bebidas alcoólicas incentivado em propagandas de festas divulgadas em campi universitários?

Variadas motivações festivas foram identificadas na análise semiótica de 170 cartazes de festas veiculados em um campus, com menções a bebidas alcoólicas quase sempre presentes. Informalmente, o setor de produção e comércio de bebidas alcoólicas insere-se mercadologicamente no território do campus, raramente seguindo a legislação de marketing desses produtos. Read More →

Violência obstétrica e a sutileza da relação humana entre o médico e a paciente

Estudo aborda a violência obstétrica que é um tema em discussão atual, por vezes naturalizado e pouco reconhecido. Médicas do Hospital Universitário de Santa Catarina pesquisaram o assunto, aprofundando a reflexão nos aspectos mais sutis da expressão da violência obstétrica – na relação humana e médico-paciente – e como esta se estabelece durante a assistência ao parto. Read More →

Rompendo fronteiras: acadêmicos de medicina experenciam vivências na comunidade indígena Potiguara, Paraíba

Experiências de formação médica com a inserção de estudantes em contextos interculturais são ainda escassas no Brasil. A partir de quatro vivências significativas, pesquisa apresenta as experiências do encontro sensível de acadêmicos de Medicina junto à comunidade indígena Potiguara, no Projeto de Extensão Iandé Guatá, na Paraíba. Read More →

Apoio matricial em saúde mental: após 10 anos de Núcleo de Apoio à Saúde da Família, quais são os desafios?

Por meio de revisão da literatura nacional, estudo apresenta e discute os entraves que ainda precisam ser superados para o sucesso da proposta de apoio matricial em saúde mental após dez anos de sua implementação nas redes de saúde. Read More →

Mais Médicos em áreas remotas de Roraima: relações entre médicos e Grupo Especial de Supervisão

A relação entre médicos e Grupo Especial de Supervisão do Projeto Mais Médicos para o Brasil em áreas remotas de Roraima é desafiadora, motivando os supervisores e tutor à reflexão sobre esta experiência. O grupo analisou os documentos produzidos e percebeu que a complexidade dessa relação demanda inventividade e planejamento criativo. Read More →

Como o ‘ser’ mãe mudou o ‘ser’ usuária de Crack?

Estudo cartográfico realizado em uma capital do nordeste do Brasil, com uma gestante que fazia uso abusivo de drogas, e esteve sob cuidados das Redes Cegonha, de Atenção Psicossocial e as que são criadas em ato pelos trabalhadores, as “Redes Vivas”, permitiu a complementariedade do cuidado e do protagonismo do usuário. Read More →