Para uma crítica da Saúde Global

Deisy Ventura, Professora do Instituto de Relações Internacionais e da Faculdade de Saúde Pública da USP; bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, São Paulo, SP, Brasil

João Nunes, Professor de Relações Internacionais na Universidade de York, Reino Unido

ln_logoNos últimos anos, tornou-se comum falar de Saúde Global, expressão polissêmica que abarca atores e agendas muito diversos, e por vezes contraditórias. O dossiê publicado no periódico Lua Nova n. 98 nasceu do objetivo de desenvolver uma abordagem crítica da Saúde Global, que busque entender em profundidade os processos políticos, econômicos, sociais e culturais que estão na origem das doenças, e que colocam determinadas regiões e grupos em situações de especial vulnerabilidade.

As recentes crises sanitárias mundiais, como a epidemia da doença do vírus Ebola na África Ocidental e a propagação do Zika vírus em mais de 60 países, têm enfatizado a necessidade de explorar a natureza e o funcionamento dos mecanismos internacionais de resposta aos problemas de saúde, com especial ênfase no pouco estudado impacto que a agenda da Saúde Global provoca na vida das pessoas.

Uma parte do dossiê é dedicada ao Brasil, caso particularmente interessante no âmbito da Saúde Global. Primeiro, por seu perfil epidemiológico, que combina problemas de saúde de países desenvolvidos (como câncer e doenças cardiovasculares) com problemas típicos de países em desenvolvimento (como doenças tropicais negligenciadas). E segundo, pelo fato de consagrar em sua Constituição um sistema de saúde público progressista, que assegura o acesso universal e gratuito à saúde e a participação pública na definição de políticas, mas convive com um contexto de políticas de austeridade orçamentária e fortes pressões para a privatização da saúde. Em terceiro lugar, o Brasil assumiu — principalmente nos anos da administração Lula — um papel de ativismo internacional em questões de saúde, enfatizando a defesa da saúde como um direito humano e a cooperação Sul-Sul para o seu desenvolvimento. E, por último, num momento em que a Saúde Global é marcada ainda por visões oriundas dos países desenvolvidos do hemisfério Norte, o Brasil surge como um contraponto importante para combater visões etnocêntricas.

O dossiê também busca ampliar o leque de metodologias e disciplinas das ciências sociais e humanas que podem ser mobilizadas em prol da análise crítica dos problemas relacionados à Saúde Global. Assim, reúne pesquisadores brasileiros e estrangeiros que vêm desenvolvendo estudos críticos sob diversos enfoques, em busca tanto do aprofundamento teórico do campo, como da configuração de uma agenda de pesquisa em médio e longo prazos.

O resultado desse percurso é a convicção de que o processo de globalização acentuou de modo significativo a transversalidade dos problemas de saúde constatados no plano local. Ademais, em âmbito global, resta evidente que a agenda da Saúde Global alcançou uma complexidade inédita, em especial no campo da regulação e das políticas públicas, inclusive a política externa dos Estados, cuja compreensão exigirá um grande esforço de pesquisa e reflexão crítica, que leve em consideração o que de fato ocorre no terreno dos programas de saúde global e seu impacto efetivo sobre a vida das pessoas.

Para ler os artigos, acesse

VENTURA, D. and NUNES, J. Apresentação. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.7-16. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445007-013/98. Available from: http://ref.scielo.org/t8wxnh

NUNES, J. and PIMENTA, D. N. A epidemia de Zika e os limites da saúde global. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.21-46. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445021-046/98. Available from: http://ref.scielo.org/ht66mr

KEROUEDAN, D. Segurança ou insegurança da saúde mundial na África? Mais saúde parcial do que saúde global. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.47-76. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445047-076/98. Available from: http://ref.scielo.org/5ts2vn

BIEHL, J. Patient-citizen-consumers: judicialization of health and metamorphosis of biopolitics. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.77-105. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445077-105/98. Available from: http://ref.scielo.org/p3vf3t

VENTURA, D. and HOLZHACKER, V. Saúde global e direitos humanos: o primeiro caso suspeito de ebola no Brasil. Lua Nova[online]. 2016, n.98, pp.107-140. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445107-140/98. Available from: http://ref.scielo.org/jxm77j

MARTIN-CHENUT, K. and SALDANHA, J. O caso do amianto: os limites das soluções locais para um problema de saúde global. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.141-170. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445141-170/98. Available from: http://ref.scielo.org/6j4wwq

GOMEZ, E. and PEREZ, F. A. Brazilian foreign policy in health during Dilma Rousseff’s administration (2011-2014). Lua Nova[online]. 2016, n.98, pp.171-197. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445171-197/98. Available from: http://ref.scielo.org/2hkfpc

ESTEVES, P., GOMES, G. Z. and FONSECA, J. M. A rede de políticas de saúde pública e a cooperação sul-sul: os casos de Moçambique e Angola. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.199-230. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445199-230/98. Available from: http://ref.scielo.org/84x5vf

RACHED, D. H. Interfaces entre o regime internacional de mudança climática e a saúde global. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.231-254. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445231-254/98. Available from: http://ref.scielo.org/tbjz82

MOTA, N. P. and RIBEIRO, H. Mobilidade internacional de médicos. Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.255-273. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445255-273/98. Available from: http://ref.scielo.org/7yphss

STEFFENS, I. and MARTINS, J. “Falta um Jorge”: a saúde na política municipal para migrantes de São Paulo (SP). Lua Nova [online]. 2016, n.98, pp.275-299. [viewed 4th November 2016]. ISSN 0102-6445. DOI: 10.1590/0102-6445275-299/98. Available from: http://ref.scielo.org/wf5bfg

Link externo

Lua Nova – LN: www.scielo.br/ln

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

VENTURA, D. Para uma crítica da Saúde Global [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2016 [viewed ]. Available from: http://humanas.blog.scielo.org/blog/2016/11/07/para-uma-critica-da-saude-global/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation